Teria o Skype participado de um "PRISM versão 2008"? (Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)

De acordo com uma reportagem do The New York Times, o Skype já contou com um componente que facilitava o acesso de agências de Inteligência a ligações feitas através do serviço. Isso teria acontecido em 2008, bastante tempo antes de a empresa ter sido comprada pela Microsoft, a responsável pelo Skype atualmente.

Na época, a empresa manteria diálogos com o governo a fim permitir que os EUA pudessem ter acesso às ligações feitas pelo serviço em casos de necessidade. Contudo, não se sabe ao certo se esses “grampos” seriam feitos legalmente ou por baixo dos panos, como previa o atual PRISM.

A existência desse código se fazia necessária por a empresa fazer questão de afirmar que o Skype era seguro a ponto de ser impossível de alguém conseguir grampeá-lo. Dessa maneira, suas ligações seriam totalmente privadas. O BGR também observa que, quando o serviço passou para as mãos da Microsoft, esse discurso desapareceu.

Ainda de acordo com o jornal norte-americano, somente as contas de alguns executivos do Skype na época tiveram o código inserido em seus computadores e outros dispositivos, algo como um teste preliminar interno. A fonte do periódico ainda confirma que, até hoje, a empresa mantém conversas com o governo daquele país, mas não revela o possível teor que elas teriam.

Cupons de desconto TecMundo: