(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

Há três anos, os engenheiros da Microsoft encontraram um novo vírus para computadores que rodam Windows — e a ameaça era (e ainda é) realmente séria. Nós estamos falando do Stuxnet, malware que afeta principalmente máquinas empresariais com o objetivo de roubar informações secretas ou privilegiadas através de aparelhos USB. E, como se não bastasse ele se autorreproduzir, também há chances de que o programa maligno evolua.

Por conta de um perigo tão alto, seria de se imaginar que grandes organizações e corporações tomassem cuidado em relação ao Stuxnet, não é mesmo? Pois acontece que nem todos tomam precauções eficientes, tanto que o malware acabou infectando a Estação Espacial Internacional — sim, aquela estrutura enorme que “flutua” sobre a nossa cabeça.

E vai ficando pior...

De acordo com as informações de diferentes fontes internacionais, quem identificou a ameaça foi o expert em segurança digital Eugene Kaspersky. Pelo que foi afirmado pelo profissional, algum cosmonauta russo utilizou algum aparelho USB (possivelmente um pendrive) e acabou espalhando o vírus dentro do sistema da Estação.

Além disso, há informações imprecisas de que uma base nuclear russa também foi infectada com o mesmo malware — e, por conta disso, os números indicam que todos os dados podem ter sido roubados pelo menos duas vezes. Neste caso, a situação também é bastante delicada, já que há grandes chances de que arquivos relacionados a armas nucleares tenham sido copiados.

Cuidado! Vai que chega em você

Eugene Kaspersky, responsável por identificar as falhas de segurança. (Fonte da imagem: Reprodução/netzwelt)

Outro problema é que o vírus em questão é capaz de oferecer comando remoto aos responsáveis pela infecção. Com isso, a pessoa mal-intencionada poderia alterar algum comando da EEI, por exemplo. No entanto, não há certeza de que situações como essa se tornem realidade, já que ainda não se sabe a extensão da falha de segurança.

O pessoal da Kaspersky também chamou a atenção para o simples fato de que o Stuxnet parece estar disponível de maneira bastante abrangente pela internet. Dessa forma, é aconselhável que você tome cuidado com os arquivos que coloca em pendrives e outros aparelhos e, principalmente, nos dispositivos que você deixa serem conectados ao seu computador.