Ransomware foi o ataque mais comum entre empresas brasileiras em 2021

1 min de leitura
Imagem de: Ransomware foi o ataque mais comum entre empresas brasileiras em 2021
Imagem: Shutterstock/Reprodução
Avatar do autor

Só no primeiro trimestre de 2021, o Brasil foi o líder no ranking latino de ataques cibernéticos, vítima de 3,2 bilhões de tentativas. O número é quase metade das 7 bilhões de tentativas notificadas em toda a América Latina.

Segundo um levantamento realizado pela  Eskive, empresa de segurança da informação, a maioria dos ataques consiste no malware conhecido como ransomware, em que o cibercriminoso rouba e criptografa arquivos de grandes empresas. Com isso, as empresas são pressionadas a realizarem pagamentos milionários de resgate. De acordo com a SonicWall Capture Labs, houve um aumento de 90% em ataques desse tipo entre 2020 e 2021.

A cofundadora e CEO da Eskive, Priscila Meyer, afirma que este tipo de ataque pode deixar grandes estragos nas vítimas. “Os ataques são sofisticados e têm grande potencial de causar enormes perdas financeiras e de imagem para a empresa vítima. A brecha para invasão aos sistemas da empresa é, geralmente, causada pelo descuido ou falta de preparo dos usuários em identificar uma ameaça”, afirma.

Meyer conta que os dados alarmantes evidenciam o pouco cuidado das empresas com este tipo de ataque, já que o fator humano é considerado o principal braço vulnerável em sistemas de segurança. “Diante disso, as empresas estão cada vez mais entendendo a necessidade de conscientizar seus funcionários para que se tornem a principal camada de proteção de seus dados”.

Ataques a grandes empresas

Em maio, a JBS, empresa de alimentos com sede no Brasil, foi alvo de uma invasão. Com o ataque, os serviços de infraestrutura e internet foram derrubados e as atividades na Austrália e nos Estados Unidos foram suspensas. Após consultar especialistas, a empresa fornecedora de carne pagou o resgate dos dados que foram roubados.

Além da JBS, outra empresa que foi alvo de um ataque ransomware foi a Kaseya, que oferece softwares de gerenciamento de redes, sistemas e infraestrutura de tecnologia da informação. O grupo russo responsável pelo ataque REvil, já é amplamente conhecido por praticar crimes do tipo com grandes companhias.

Os órgãos do governo também não estão imunes aos ataques. Neste fim de semana, o Ministério da Economia confirmou que o Tesouro Nacional sofreu um ataque de ransomware.