É bom acreditar quando disserem que "você digita como ninguém" (Fonte da imagem: iStock)

Senhas mirabolantes e sistemas que reconhecem a sua impressão digital podem não ser métodos tão seguros de autenticação. Agora, o Pentágono acredita ser possível usar o padrão de digitação de uma pessoa para garantir que é ela mesmo quem opera a máquina.

De acordo com o jornal The New York Times, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) quer se livrar das senhas presentes em todos os computadores. De certa forma, isso faz sentido, já que passwords podem ser roubados ou quebrados. Em contrapartida, a maneira de digitar de uma pessoa é muito mais difícil de ser recriada.

Por isso, haveria a possibilidade de o computador descobrir, com base na digitação do nome de usuário, por exemplo, se é mesmo ele quem opera a máquina. Como se não bastasse, essa técnica forneceria uma etapa extra de segurança: enquanto usa o computador, um software em segundo plano poderia analisar a maneira de teclar da pessoa, garantindo que ela não trocou de lugar com alguém após a autenticação.

O único porém acerca da ideia seria a quantidade de tempo necessária para que o sistema “confiasse” na pessoa antes de ela acessar informações importantes e pessoais, como a caixa de email ou diretórios importantes. Também seria necessário um monitoramento constante do sistema por parte do setor de TI de uma organização ou empresa. Apesar disso tudo, o método seria muito mais seguro do que o disponível atualmente.

Cupons de desconto TecMundo: