Imagem de: Ministério Público faz 3,2 mil coletas de DNA de presos por crimes sexuais

Ministério Público faz 3,2 mil coletas de DNA de presos por crimes sexuais

1 min de leitura
Avatar do autor

O Ministério Público, em projeto conjunto com o Núcleo de Execuções Criminais do Centro de Apoio Operacional Criminal (CAOCrim), a Secretaria de Segurança Pública e a Superintendência da Polícia Técnico-Científica, realizou 3,2 mil coletas de DNA de condenados em regime fechado e semiaberto por crimes sexuais.

Segundo o MP, a coleta foi realizada em unidades prisionais de Guarulhos, Itaí, Iperó, Sorocaba, Ribeirão Preto, Serra Azul e Marília, no estado de São Paulo. O objetivo da coleta seria armazenar as informações e cruzar dados entre crimes ocorridos.

Até o momento foram obtidas 11 coincidências com casos estaduais e duas coincidências com casos de outros estados

Entre as 3,2 mil amostras já colhidas, o laboratório de DNA do Instituto de Criminalística já processou cerca de 1,1 mil. Após o processamento, as informações são inseridas no Banco de DNA do Estado de São Paulo e também no Banco Nacional de Perfis Genéticos.

“Com este trabalho, até o momento foram obtidas 11 coincidências com casos estaduais e duas coincidências com casos de outros Estados”, afirma o MP. “Os laudos serão confeccionados e encaminhados ao CAOCrim, que remeterá aos promotores com atribuição para atuar nos casos respectivos. O projeto prossegue e foi expandido para a coleta de material genético também de presos por crimes sexuais apresentados na audiência de custódia da capital, mediante autorização judicial”.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Ministério Público faz 3,2 mil coletas de DNA de presos por crimes sexuais