Amazon vai decidir se comercializa seu reconhecimento facial para o governo

1 min de leitura
Imagem de: Amazon vai decidir se comercializa seu reconhecimento facial para o governo
Avatar do autor

A assembleia anual de acionistas da Amazon será realizada no dia 22 de maio. Entre os itens a serem votados está uma proposta que proíbe a venda da tecnologia de reconhecimento facial da empresa, chamada de Rekognition, para quaisquer órgãos ligados ao governo americano, a menos que o conselho avalie a negociação de forma independente e conclua que a Rekognition não seja utilizada para causar ou contribuir com violações reais ou potenciais de direitos civis e humanos.

Funcionários e alguns acionistas da Amazon, grupos de liberdade civis e membros do Congresso querem, em um âmbito geral, que a companhia não venda a Rekognition para agências governamentais.

Fonte: Smart Cities World

Em julho de 2018, a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês) constatou que a Rekognition identificou, erroneamente, 28 membros do Congresso como criminosos. O incidente gerou dúvidas quanto à eficiência da tecnologia e se ela está madura o suficiente para ser adotada em larga escala.

A China, país com o maior número de câmeras dotadas de reconhecimento fácil no mundo, é frequentemente criticada pelas possibilidades de abuso em relação à privacidade dos cidadãos.

Para piorar a situação, o governo Trump tem sido acusado de utilizar seus serviços secretos para monitorar minorias étnicas e turistas em território americano.

O conselho da Amazon defendeu a tecnologia e recomendou aos acionistas que votem contra a proposta. Segundo o conselho, a Amazon Web Services (AWS) nunca recebeu nenhuma reclamação proveniente de uma aplicação baseada na tecnologia Rekognition. Eles afirmaram que a tecnologia teve somente propósitos benéficos, incluindo a melhoria da segurança pública, e que ela não deve ser depreciada devido à uma possível má utilização, impedindo-a de ser comercializada para novos clientes.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Amazon vai decidir se comercializa seu reconhecimento facial para o governo