Mais um escândalo envolvendo dados de usuários no Facebook estourou nesta terça-feira (16). De acordo com uma reportagem da americana NBC NewsMark Zuckerberg e seus principais executivos discutiram abertamente a venda direta de dados de usuários da rede social e, posteriormente, condicionaram a liberação desses dados para terceiros à compra de publicidade em sua plataforma.

Zuckerberg e sua cúpula usavam o grande bolo de dados pessoais dos bilhões de usuários do Facebook para ajudar parceiros e punir rivais no mercado digital

As informações, provenientes de um pacote de 4 mil páginas de documentos e emails apresentados em um processo do qual o Facebook foi réu, comprovam que Zuckerberg e sua cúpula usavam o grande bolo de dados pessoais dos bilhões de usuários do Facebook para ajudar parceiros e punir rivais no mercado digital.

Mudanças na política de acesso a dados de usuários por apps terceiros no Facebook em 2015 não foram motivadas por uma preocupação da empresa com a privacidade de seus usuários, de acordo com a NBC News. Os documentos vazados indicam que a situação era justamente outra: limitar o acesso a essas informações para que fosse possível vendê-las de alguma forma para os desenvolvedores que quisessem ter acesso a elas.

Acordos por fora

Apesar de o próprio CEO da empresa, Mark Zuckerberg, ter sido a favor da venda direta de acesso aos dados dos usuários, o Facebook acabou fazendo acordos condicionando esse acesso a duas formas de contrapartida. As empresas parceiras poderiam ter acesso aos dados caso investissem muito dinheiro na compra de publicidade dentro do Facebook e também compartilhassem com o Facebook os dados gerados com as informações de usuários previamente compartilhadas.

Somente grandes empresas, ou desenvolvedores amigos que conheciam o CEO pessoalmente, podiam assinar esses acordos. Ao todo, mais de 100 empresas terceiras — incluindo a Amazon — continuaram tendo acesso aos dados dos usuários do Facebook mesmo depois das limitações de 2015, que pregavam proteção de privacidade. Esse termo “privacidade”, contudo, foi muito pouco discutido nesses 4 mil documentos e emails vazados.

As mudanças de 2015 foram criadas com a intenção de fortalecer o poder do Facebook no mercado digital e não de proteger a privacidade dos usuários

“Entretanto, entre os documentos vazados, há muito pouca evidência de que privacidade foi uma preocupação real do Facebook, e esse tópico foi raramente discutido em milhares de páginas de documentos, emails e resumos de reuniões. Onde privacidade é mencionada, normalmente há o contexto de como o Facebook pode usar isso como uma estratégia de relações públicas para amaciar o duro golpe que a mudança na política de acesso aos dados de usuários foi para desenvolvedores. Os documentos contém diversos exemplos sugerindo que as mudanças de 2015 foram criadas com a intenção de fortalecer o poder do Facebook no mercado digital e não de proteger a privacidade dos usuários”, diz a NBC News.

Esse pacote de documentos citados pela reportagem foi vazado de um processo judicial contra o Facebook aberto por uma startup chamada “Six4Three”, dona do app Pikinis. Com as mudanças implementadas em 2015, o app — especializado em encontrar fotos de amigos no Facebook usando biquíni — simplesmente perdeu toda sua funcionalidade.

Dessas 4 mil páginas, cerca de 400 delas já haviam vazado anteriormente, mas o Facebook descreditava seu conteúdo dizendo que eram informações tiradas de contexto especialmente para manchar a imagem da empresa. Agora, com o contexto revelado, Zuckerberg tem mais um grande escândalo de privacidade nas mãos. A diferença é que, agora, o "fragilizado" Facebook já vem perdendo usuários em vários grandes mercados ocidentais.

Cupons de desconto TecMundo: