Por mais que alguns especialistas da área de segurança afirmem isso, o Facebook sempre foi categórico ao dizer que não utiliza o microfone dos nossos smartphones para ouvir o que falamos e enviar publicidade direcionada. Mas você já deve saber que a rede social não é exatamente a empresa mais confiável do mundo e uma nova tecnologia que a companhia está tentando patentear não deve melhorar essa imagem.

Descoberto pelo jornal britânico Metro, o pedido de patente descreve um sistema capaz de reconhecer o que está passando na sua TV através de sons específicos emitidos em frequências que nós não conseguimos ouvir. Esses sons seriam responsáveis por ativar o microfone do seu celular remotamente e criar uma “pegada de áudio ambiente” que seria armazenada em um “sistema online” junto com informações capazes de identificar o dono do celular.

Um desenho.Ilustração mostrando detalhes da patente.

O pedido de patente é pouco claro nesse ponto e não chega a citar exemplos reais de como essa tecnologia seria utilizada. No entanto, uma possibilidade seria reconhecer os programas que você assiste para fazer anúncios ainda mais direcionados. É provável que o Facebook queira saber se as pessoas estavam na frente da TV no momento em que o anúncio foi exibido ou saíram de perto quando o intervalo comercial começou, por exemplo.

Perguntado sobre o caso, o Facebook respondeu que essa é apenas uma prática comum na indústria de solicitar patentes para prevenir que os concorrentes façam o mesmo. De acordo com Allen Lo, responsável pela área de propriedades intelectuais da companhia, o Facebook não teria nenhuma pretensão de efetivamente utilizar o que está descrito na patente em nenhum dos seus produtos.

É uma resposta complicada, especialmente quando vinda de uma companhia que amarga índices baixíssimos de confiança após o escândalo de uso de dados privados da Cambridge Analytica. Mas é bom lembrar que o Facebook apenas fez o pedido de patente, o que não significa que ela será aprovada pelos órgãos responsáveis.

Cupons de desconto TecMundo: