Brasileiros rejeitam checagem de fatos e assustam até o Facebook

2 min de leitura
Imagem de: Brasileiros rejeitam checagem de fatos e assustam até o Facebook
Avatar do autor

O dado é preocupante: entre os 14 países onde o Facebook fez parceria com agências de checagem de fatos, o Brasil foi o único que registrou uma reação virulenta, agressiva, de grupos de cunho político. Segundo a Deutsche Welle (DW), o próprio Facebook teve que sair em defesa de jornalistas.

A ação agressiva contra o ocorrido demonstra um problema grave de nossa sociedade atual: a guerra emocional. Completamente fora de raciocínio lógico e(ou) histórico, o Brasil vê uma retomada monstruosa de pessoas que vociferam inverdades por simples desencontro emocional ou ideológico, deixando de lado o trabalho meticuloso realizado por agências de checagem de fatos e profissionais que lidam com a informação.

O assédio virtual é a nova ameaça, um novo tipo de violência, uma nova maneira de intimidar as pessoas para impedir que façam seu trabalho

Por aqui, o Facebook fechou parceria com as agências Lupa e Aos Fatos, além da Agence France Press (AFP). Fora do Brasil, a atitude do Facebook em conjunto com agências de checagem já deu resultado e derrubou em 80% o alcance orgânico das fake news.

"Os profissionais das agências foram acusados de serem incapazes de fazer uma checagem de dados profissional e isenta por serem 'esquerdistas'. Alguns jornalistas foram agredidos pessoalmente nas redes sociais, receberam ameaças e intimidações, tiveram a vida pessoal e até mesmo informações sobre familiares expostas no mundo virtual", de acordo com a alemã DW.

Sobre a ação dos grupos brasileiros, conforme nota do Facebook no dia 18 de maio: "O trabalho deles é checar fatos, não ideias. Nossos parceiros no Brasil têm sido alvo de ataques pelo trabalho que estamos fazendo para ajudar a construir uma comunidade mais bem informada. Condenamos essas ações e seguimos comprometidos em trabalhar com organizações reconhecidas pela IFCN em nosso programa de verificação de notícias".

As agências que têm a certificação do IFCN precisam "dar provas constantes de transparência, apartidarismo e responder prontamente às críticas. Além disso, submetem-se a uma auditoria internacional anual para que todos esses requisitos de independência sejam verificados por agentes externos", segundo a DW.

Reforçando o discurso de preocupação, o jornalista Daniel Bramatti, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), comentou: "O assédio virtual é a nova ameaça, um novo tipo de violência, uma nova maneira de intimidar as pessoas para impedir que façam seu trabalho".

Facebook anuncia expansão

O Facebook ainda anunciou diversas atualizações hoje:

  • Expandindo o programa de verificação de fatos para novos países.
  • Expandindo o teste para verificar o conteúdo de fotos e vídeos.
  • Aumentando o impacto da verificação de fatos usando novas técnicas, incluindo a identificação de conteúdos duplicados.
  • Tomando medidas contra páginas e domínios que disseminam notícias falsas, além de suas fronteiras.
  • Melhorando a mensuração do nosso trabalho e a transparência por meio de parcerias com acadêmicos.
Brasileiros rejeitam checagem de fatos e assustam até o Facebook