Imagem de: Mais de 7.000 malwares de IoT já foram descobertos só em 2017
Fonte: Pixabay

Mais de 7.000 malwares de IoT já foram descobertos só em 2017

1 min de leitura
Avatar do autor

Uma maior quantidade de dispositivos conectados à internet e entre si também significa um aumento significativo no número de malwares que atinge esses aparelhos. Essa é a conclusão de cinco meses de estudo da Kaspersky Lab em busca de ameaças envolvendo a Internet das Coisas (IoT, na sigla original em inglês).

Só de janeiro a maio de 2017, os pesquisadores detectaram 7.242 amostras de malware nesses dispositivos. O número é 74% a mais do que o número total de amostras detectadas no período somado entre 2013 e 2016.

Segundo os cientistas, os ataques já existem faz alguns anos, mas bombaram mesmo em 2016 com o surgimento da botnet Mirai.E não faltam dispositivos para serem alvos: de acordo com dados da Gartner, existem mais de 6 bilhões de dispositivos conectados à internet no planeta.

Tamanho não é documento

Sejam termostatos, sensores, geladeiras, portas de garagem, pulseiras inteligentes e até brinquedos, esses produtos são especialmente vulneráveis porque o firmware de cada produto geralmente não recebe tantas atualizações de segurança, traz senhas padrões e não recebe a devida atenção por parte do usuário. E, uma vez controlados, podem não só receber comandos remotamente, mas também servir como porta de entrada para a invasão de outros eletrônicos da casa.

"É uma tendência que está longe de ser reversível e aumenta a cada dia. Isso nos leva à urgência de pensar sobre quais medidas de segurança devem ser tomadas para esse tipo de tecnologia", diz Roberto Martinez, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Mais de 7.000 malwares de IoT já foram descobertos só em 2017