Com telas cada vez mais nítidas e funções adicionais aos montes, os smartphones mais recentes têm se tornado verdadeiros devoradores de bateria. Assim, não é de se estranhar que os consumidores tenham ficado consideravelmente mais exigentes com a autonomia de seus dispositivos mobile. Para dar conta do recado, a Samsung equipou seus novos xodós, o Galaxy S7 e o S7 edge, com um armazenamento de energia ainda mais robusto que o dos seus antecessores. A estratégia, porém, pode não ter tido o efeito desejado.

De posse de ambos os novos aparelhos da fabricante sul-coreana, o site Phone Arena não fez cerimônia e colocou a longevidade de ambos à prova em uma prévia do desempenho da dupla. Infelizmente, o resultado dos testes não deve agradar os aficionados pela marca, já que o upgrade nesse quesito era praticamente certo por conta do hardware de 3.000 mAh do S7 e de 3.600 mAh do S7 edge – uma melhoria robusta para os 2.550 mAh do S6 e os 3.000 mAh do S6 edge.

Passando pelo teste de estresse padrão do portal para a performance desse tipo de peça, o novo modelo flat resistiu por apenas 6 horas e 37 minutos, uma queda substancial quando comparado diretamente às 7 horas e 14 minutos do seu irmão mais velho. O dispositivo recém-anunciado com as laterais do display arredondadas também decepciona, oferecendo somente 7 horas e 18 minutos de vida e causando desespero para quem está acostumado às 9 horas e 29 minutos de autonomia do top de linha anterior da empresa.

Vale notar que essa pré-avaliação considerou apenas as versões Snapdragon 820 de ambos os dispositivos. Apesar de os modelos Exynos não terem sido analisados, dificilmente o SoC da própria Samsung vai causar uma diferença brutal na longevidade na bateria – ainda que pequenas melhorias possam ser esperadas com uma solução da casa. Como é possível conferir na tabela acima, o jogo parece ter virado, e o iPhone, que antes era tido como um celular faminto, apresenta agora um desempenho excelente em suas edições 6s e 6s Plus.

Na hora de realimentar a peça, os novos smartphones da Samsung até que apresentam uma taxa de recarga boa, principalmente quando se considera a capacidade das baterias integradas ao kit. Enquanto o Galaxy S7 edge precisa de 1 hora e 39 minutos para ir de zero a cheio, o irmão com menos curvas atinge 100% de carga com 1 hora e 28 minutos. E aí, acha que isso pode afetar a recepção do público com os novos produtos da Samsung ou já era algo esperado por conta das especificações dos novos brinquedinhos?

Será que veremos uma melhoria na bateria dos celulares em um futuro próximo? Comente no Fórum do TecMundo!

Cupons de desconto TecMundo: