(Fonte da imagem: Reprodução/Defense News)

Até pouco tempo atrás sinônimo de grandes orçamentos, o exército dos Estados Unidos passa por uma fase no qual pretende investir em forças mais econômicas, compactas e, especialmente, mais mortais. Para isso, as forças armadas do país norte-americano pretendem substituir pelo menos 25% de seus soldados por robôs inteligentes nos próximos anos.

Segundo o general Robert Cone, responsável pelo Treinamento do Exército e Controle de Doutrina da instituição, afirmou que há a intenção de que cortar o tamanho máximo de uma brigada para 3 mil (atualmente o limite é de 4 mil soldados). Os combatentes eliminados seriam substituídos por robôs e sistemas não tripulados, como os drones já utilizados em algumas operações.

“Quando você vê o sucesso que a Marinha teve na redução de pessoas em navios, percebe-se que há funções de uma brigada que podemos automatizar — robôs ou máquinas tripuladas ou não tripuladas —, limitando o número de pessoas envolvidas levando em consideração primeiramente o fato que pessoas correspondem pela maior parte de nossos custos”, afirmou Cone durante uma apresentação ocorrida na semana passada.

Aumentando a letalidade das forças armadas

Cone também defende que a mudança tem o objetivo de aumentar o grau de letalidade das forças armadas do país. Segundo ele, nos últimos 12 anos os Estados Unidos tiveram que perder muito nesse quesito devido à sua filosofia de operar como uma força de proteção, “e o Exército essa manobrabilidade, posicionabilidade  e poder de fogo de volta”.

A expectativa é a de que, até o final de 2015, o país tenha reduzido de 540 mil para 490 mil a quantidade de soldados que emprega a seu serviço. A previsão é que esse número continue diminuindo com o passar dos anos, chegando a 420 mil integrantes a partir de 2019.

Cupons de desconto TecMundo: