A crise das propagandas russas durante a eleição presidencial norte-americana de 2016 ainda está longe de acabar. O Twitter revelou que pode notificar seus usuários que tenham sido expostos a publicações na rede social que tenham ligação com o órgão do governo russo que influenciou na subida de Donald Trump ao poder nos Estados Unidos.

Foi isso o que informou Carlos Monje, diretor de políticas públicas do Twitter, para o Comitê de Comércio, Ciência e Transporte do Senado norte-americano. Ainda não há nenhum plano divulgado sobre como essa campanha de notificação será feita pela plataforma.

A medida segue o que o Facebook também fez para esclarecer o projeto de propaganda russo – a rede social de Zuckerberg criou um portal onde os usuários podem descobrir se curtiram ou seguiram páginas criadas pelo órgão russo com o propósito de interferir nas eleições.

Conteúdos sensíveis

Todas as empresas afirmaram utilizar sistemas de inteligência artificial e algoritmos para detectar todo tipo de conteúdo que suas políticas não permitem ser veiculadas nas plataformas

Uma audiência do comitê na quarta-feira (17) recebeu representantes da Alphabet (responsável pela Google e pelo YouTube), do Facebook e do Twitter para tratar, entre outros assuntos, como o controle de membros de grupos extremistas nas plataformas, dos problemas causados pela Rússia durante a eleição presidencial de 2016.

As empresas tiveram que explicar como lidam com uma série de questões relacionadas a conteúdo de todos os tipos, como o recrutamento de membros do Estado Islâmico por meio das plataformas, comércio de armas, contas de spam, a divulgação de notícias falsas e, claro, as propagandas russas.

Todas as empresas afirmaram utilizar sistemas de inteligência artificial e algoritmos para detectar todo tipo de conteúdo que suas políticas não permitem ser veiculadas nas plataformas. Além de equipes numerosas para auxiliar na filtragem desse tipo de postagem.

Cupons de desconto TecMundo: