Os habitantes e turistas de Barcelona possuem um grande aliado para se movimentar pela cidade com tranquilidade: o TMB Virtual. Este app para Android permite que o usuário tenha informações em tempo real sobre o transporte público desse cartão postal da Espanha. Confira o aplicativo em ação no vídeo acima.

Não sabe como chegar ao seu destino? O programa informa quais linhas operam no trajeto, quanto tempo leva, aproximadamente, o percurso e qual o próximo horário que o ônibus ou metrô passa em cada ponto. Basta apontar a câmera do seu smartphone ao seu redor para que o software identifique onde você está e relacione com os dados de transporte público disponível nas proximidades.

Como isso é possível? Esta comodidade é baseada na Realidade Aumentada, um tema que tem ganhado maior notoriedade desde 2009. Com o desenvolvimento de novos serviços e softwares, o mundo virtual está cada vez mais perto de invadir a realidade. O que falta para este recurso finalmente, fazer parte do nosso dia a dia? Conheça todo o potencial que esta tecnologia tem de se tornar essencial em nossas vidas.

O mundo virtual invade a realidade

Antes de explorar as aplicações da Realidade Aumentada, é essencial entender seu conceito. A Augmented Reality (representada também pela sigla AR) é a tecnologia que permite a interação entre o mundo real e os elementos virtuais.

Conectando os mundos.

Por meio de softwares, um objeto físico tem seus pontos de referência mapeados e pode reproduzir vídeos ou repassar informações na tela de gadgets. A principal característica desta técnica é a concepção de objetos tridimensionais interativos, com atualização de informações em tempo real.

A Realidade Aumentada surgiu do avanço de outro mecanismo de interação virtual: o QR Code, códigos bidimensionais que possibilitam a projeção de elementos digitais em filmagens reais. A RA não é um assunto novo. Os primeiros estudos relacionados com a tecnologia surgiram na década de 90, entretanto, ela só ganhou maior notoriedade a partir de 2009.

Quer saber como funciona a Realidade Aumentada? Clique aqui e descubra mais detalhes sobre o assunto.

O que falta para a tecnologia decolar?

Ao contrário do que muitos imaginam, a Realidade Aumentada não é apenas recurso de filmes futuristas, como em Minority Report, Exterminador do Futuro e Matrix. A RA já está sendo aplicada em diversos app para smartphones, tablets, entre outros gadgets.

Um exemplo real é o Zeal Recon Transcend Ski Goggles, óculos específicos para a prática de esqui que exibem a localização exata do esportista (graças ao sistema GPS embutido), a velocidade atingida, a altura dos saltos e muitas outras informações em tempo real. Dê uma espiada no vídeo abaixo e vislumbre o potencial dos óculos interativos.

A Realidade Aumentada oferece uma série de recursos e possibilidades divertidas. Mas se a tecnologia é tão descolada, por que ela ainda não decolou? O que falta para que a RA assuma uma posição mais expressiva nesta sociedade que clama por tecnologia? São basicamente três contextos que devem mudar para que a interação entre mundo real e virtual aumente consideravelmente.

Colocando o marketing de lado

A Realidade Aumentada possui basicamente duas formas de operação: mapeando pontos únicos em objetos e criando um modelo tridimensional (mecanismo já exposto anteriormente) ou por meio de símbolos e códigos (recurso explorado por empresas para divulgação de marcas).

Este segundo tipo de reprodução é mais comum. Basta procurar um pouco na internet para encontrar várias campanhas promocionais que usufruem da RA para ganhar popularidade. Aqui no Brasil, a campanha da Elma Chips com o salgadinho Doritos fez sucesso entre a garotada. O pacote vinha com figurinhas que interagiam com um site criado especialmente para a promoção.

Mais informações nos produtos.

A utilização de marcadores estáticos, como um código ou logotipo, facilita a aplicação da Realidade Aumentada. Para que a tecnologia possa ser disseminada em maior escala, é preciso que o método de modelagem 3D seja desenvolvido com mais afinco.

Processamento de imagem

Diferenciar uma pessoa de um objeto é uma atividade simples para as tecnologias modernas. Atualmente, existe uma infinidade de modelos de câmeras digitais com reconhecimento facial, por exemplo.

Por outro lado, os sistemas de informação têm dificuldade para distinguir seres humanos com características similares ou quando estamos com acessórios, como óculos de sol ou chapéus. O mesmo problema é encontrado na Realidade Aumentada.

Para que um aplicativo identifique um monumento ou edifício específico, ele precisa criar um modelo 3D que compreenda os pontos únicos de cada objeto em todos os ângulos possíveis. Esta tarefa é muito complexa e exige intensamente de recursos de hardware.

Aumente o potencial dos seus pensamentos.

Alguns projetos de fotogrametria visam constituir técnicas para o mapeamento das dimensões e posições de objetos a partir de imagens. Os esforços dos cientistas têm obtido resultados promissores, mas os testes no mundo real ainda não foram suficientes para melhorar o desempenho da RA.

Poder de hardware dos gadgets

Como mencionado no tópico anterior, a Realidade Aumentada tem um altíssimo consumo de recursos dos gadgets. Se a tecnologia for utilizada em um computador, é possível que sua capacidade de processamento seja capaz de reproduzir o conteúdo com qualidade.

Todavia, a grande utilidade para a RA é sua compatibilidade com os smartphones. É aí que encontramos algumas limitações de hardware. Os processadores dos telefones portáteis não possuem a mesma amplitude e potência dos componentes usados nos PCs. Os processadores de 1 GHz, que fazem sucesso nos celulares inteligentes de ponta, já são bem ultrapassados se comparados aos semicondutores com mais de 2 GHz dos computadores atuais.

Maior interação entre a realidade e o mundo virtual.

As promessas de smartphones com processadores dual-core animam os desenvolvedores de softwares baseados na Realidade Aumentada. Esperamos que, em breve, possamos ampliar consideravelmente a gama de aplicações para a RA.

Futuras aplicações

A Realidade Aumenta tem um potencial de mercado enorme, faltando apenas algumas melhorias de hardware para que ela bombe nos equipamentos eletrônicos. As aplicações para esta tecnologia são praticamente ilimitadas. Além dos óculos para esportes radicais e o aplicativo para usuários de transporte público, outras áreas já possuem ferramentas de interação entre o mundo real e o virtual.

A cidade de Rotterdam conta com um software que exibe informações históricas de pontos turísticos – uma mão na roda para quem está só de passagem pelo município –, o qual deve abrir novos horizontes para museus interativos. Para quem está aprendendo uma nova língua, foi desenvolvido um app para iPhone que traduz textos do inglês para o espanhol (por enquanto essas são os idiomas suportados). Confira a tradução em tempo real no vídeo seguinte: