Tablet Nokia T20 REVIEW: isso precisa PARAR!

8 min de leitura
Imagem de: Tablet Nokia T20 REVIEW: isso precisa PARAR!
Avatar do autor

Depois de mais de um mês testando o tablet Nokia T20 para fazer a análise, eu cheguei à conclusão de que o problema que a gente enfrenta nesse mercado de hoje não é nem aquela clássica incompatibilidade entre gostar de tecnologia e ser brasileiro. Isso não é novidade, né. Eu já estou faz anos nessa e sei muito bem que 90% da nossa população só tem alguma chance de comprar produtos de tecnologia de ponta depois de uns 2, 3 anos do lançamento e olhe lá. O problema de verdade é que a situação agora está tão ruim, mas tão ruim, que esse atraso geracional já está se tornando realidade também para produtos que foram criados, idealizados mesmo do zero com o objetivo de serem acessíveis. E isso é especialmente visível em um caso como esse aqui. Vem comigo agora que eu vou falando dos detalhes do Nokia T20 e, no final do vídeo, prometo que vocês vão entender do que eu estou falando.

Design e extras

O design do Nokia T20 é a única coisa que está totalmente de acordo com o preço dele. Diferente da maioria dos tablets mais baratos, que geralmente são todos de plástico, esse aqui tem um corpo inteiro em alumínio. Bem sólido, resistente e com uma cor bonita, até. Não tem acabamentos premium, mas essa nem é a proposta aqui, então o estilo mais simples e com cantos e laterais arredondadas não destaca o tablet, mas funciona bem. Os materiais o tornam pesadinho, então não é um tablet que você vai querer usar segurando na mão muito tempo.

  •         Dimensões (A x L x E): 15,75 x 24,76 x 0,78 cm (mais espesso nas câmeras)
  •         Peso: 465 gramas

A câmera de selfies está ali no meio da margem ao redor da tela, no lado de cima ao segurar na orientação horizontal. Nessa mesma lateral fica a alavanca de volume, enquanto o botão de energia está na esquerda, logo acima de um dos alto-falantes. Um segundo alto-falante está no lado oposto, ao lado do conector USB-C. Então sim, o Nokia T20 tem som estéreo, o que é legal, com um volume legal e qualidade digna para ambiente fechados.

Nokia T20 tablet

Só que não há leitor de digitais aqui, então se você não quiser ter que ficar usando senha ou padrão para desbloquear o tablet, a única opção que resta é o reconhecimento facial pela câmera de selfies, o que funciona, mas a gente sabe que não é a coisa mais segura.

Tela

Chegando na tela, aí é onde a gente começa a ver as limitações do Nokia T20. O painel é um IPS LCD de 10,4 polegadas na proporção incomum de 5:3 com resolução de 2000 por 1200 pixels, o que colocaria ele como algo entre HD e Full HD. A caixa vende esse número como resolução 2K, mas isso é meio enganoso porque 2K não é um padrão propriamente estabelecido.

  •         Tela: IPS LCD de 10,4” (5:3) com resolução de 2000x1200 pixels, brilho de 400 nits, taxa de atualização de 60 Hz e densidade de 224 ppp

O detalhamento das imagens não é ruim, mas as cores acabam parecendo um pouco sem vida nas imagens, os tons de preto são acinzentados e o brilho máximo de 400 nits é um problema real. Não só esqueça a ideia de usar o T20 em um ambiente externo ou com a tela virada para uma janela em um dia ensolarado, mas até mesmo luzes internas um pouco mais fortes já podem tornar a experiência de assistir uma série, por exemplo, um pouco desconfortável.

Nokia T20 tablet tela

Câmeras

Passando rapidinho pelas câmeras, aqui temos uma frontal de 5 MP com foco fico e uma traseira de 8 MP com autofoco, que tão lá porque precisam estar para o caso de videochamadas basicamente. Até dá para filmar em Full HD e tirar fotos, mas o resultado não é legal então não recomendo.

  •         Câmeras: frontal de 5 MP e traseira de 8 MP com autofoco
  •         Vídeo: 1080p@30fps

Nokia T20 tablet camera

Desempenho

Por dentro do capô, o Nokia T20 tem um processador Unisoc T610, que é um chip básico do tipo que você encontra em alguns smartphones mais perto da faixa dos mil reais. Ou seja, completamente não condizente com o preço desse tablet aqui. Ele vem acompanhado por 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento expansível via cartão microSD.

  •         CPU: octa-core Unisoc T610 (2x 1,8 GHz Cortex A-75 + 6x 1,8 GHz Cortex A-55)
  •         GPU: Mali G-52 MP2
  •         Memórias: 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento (expansível via microSD)

E o desempenho que ele consegue oferecer com isso é o básico do básico, servindo ok para navegar na internet, usar redes sociais, ver séries via streaming e jogar jogos bem leves. Jogos um pouco mais avançados ainda conseguem um desempenho ok se jogados com as configurações gráficas no nível mais baixo possível, mas qualquer coisa mais intensa que isso vai fazer o tablet sofrer. Seria o esperado de um tablet de entrada, o que era para o Nokia T20 ser de fato, mas o preço aqui no Brasil torna isso desagradável.

Nokia T20 tablet

Interface

O tablet vem rodando de fábrica uma versão bastante pura do Android 11, com tudo funcionando exatamente como seria esperado. Deslizando para esquerda a partir da Home, temos acesso ao Entertainment Space, onde o tablet reúne indicações de conteúdo em filmes e séries nas mais variadas plataformas de streaming, além de indicações também de Jogos, leituras e produções em áudio nas outras abas. Mas mesmo com essas sugestões, vale avisar que você ainda tem que assinar os serviços em questão para poder assistir ao conteúdo. Fora isso, a interface funciona bem e não guarda surpresas.

  •         Sistema operacional: Android 11

Nokia T20 tablet Android

Bateria

A bateria de 8.200 mAh do Nokia T20 é um ponto em que o aparelho não decepciona. Focando apenas no streaming de vídeos, o tablet aguentou pouco mais de 10 horas de uso direto, isso com a tela ligada com o brilho no máximo. Ao distribuir esse consumo em sessões de cerca de 1 hora por dia, a bateria dele aguentou quase uma semana inteira. É possível consumir a bateria mais rápido, especialmente se você for jogar online, mas em geral o resultado é positivo.

  •         Bateria: 8.200 mAh com carregador de 10W na caixa

Já a recarga é um ponto fraco. Por mais que o aparelho seja compatível com carregadores de 15W, ele vem na caixa com um de apenas 10W. Com isso, a recarga de zero a 100% leva quase 4 horas no total, o que é bem lento.

Nokia T20 tablet

Vale a pena?

No lançamento aqui no Brasil, agora no final de fevereiro de 2022, o Nokia T20 chegou custando absurdos R$ 2.200, o que era simplesmente irreal para o que ele oferece. Agora, cerca de 3 meses depois, já é possível encontrar o aparelho por valores em torno de R$ 1.500 a prazo.

  •         Preço oficial: R$ 1.499 a prazo

Não é mais um preço absurdo para ele, mas para mim continua não sendo um valor justo tendo em vista o que ele oferece, especialmente em termos de qualidade de tela e desempenho. Considerando o uso mais secundário que um tablet de entrada costuma ter, que é um aparelho que você usa mais em casa para ver uma série enquanto janta, ou então para navegar na internet e redes sociais e ler um pouco, é possível encontrarmos opções no mesmo nível custando quase R$ 500 a menos, como o Galaxy Tab A8 da Samsung. O corpo mais robusto desse aqui não justifica a diferença de valor. Se R$ 1.500 fosse o preço de lançamento do T20, e aí ele estabilizasse perto dos R$ 1.100 ou até uns R$ 1.200, aí ele ainda seria ligeiramente mais caro que os concorrentes no mesmo nível de desempenho, mas com um valor justificável pelos materiais mais robustos do corpo. Mas não é esse o caso.

E o mais triste disso é que eu vejo essa situação como algo recorrente em produtos de marcas como a Nokia, Xiaomi e outras empresas que voltaram a atuar no Brasil em um sistema de parceria com alguma marca local. Eu não sei quais são os termos desses acordos ou a carga tributária que empresas como a Multilaser, DL ou Positivo precisam encarar para conseguir trazer esses produtos, mas o resultado acaba sendo sempre o mesmo: aparelhos como o Nokia T20 chegam ao nosso país por um valor completamente descaracterizado e impossível de recomendar. Um tablet de entrada chega pelo valor de um intermediário, e aí as pessoas que são atraídas pelo nome de uma marca como a Nokia acabam pagando muito mais caro do que deveriam por um produto que até valeria a pena, mas só se custasse muito menos.

Eu gostaria muito de poder virar para vocês aqui e dizer: sim, podem comprar a versão nacional do tablet da Nokia, do celular da Xiaomi, do notebook da Vaio, mas não dá. Eu não sei se as fabricantes precisam se unir para convencer políticos a mudar as leis do país na tributação de eletrônicos, se deveriam renegociar os termos do licenciamento das marcas internacionais que vendem, se é uma boa ideia investir em novas instalações de fabricação e distribuição pelo Brasil ou se seria necessário reduzir os preços na marra e a margem de lucro final para o mínimo possível. O que sei é que não era para ser necessário esperar um tablet de entrada baratear para poder se tornar cogitável e isso precisa parar. Enquanto continuar valendo muito mais a pena comprar produtos das outras gigantes que já se estabeleceram direito aqui no Brasil ou então ignorar a versão nacional em favor dos modelos importados por preços muito mais justos, é isso que eu posso indicar para vocês que estão vendo esse vídeo.