Smartphone novo: o que saber antes de comprar um modelo de entrada?

5 min de leitura
Imagem de: Smartphone novo: o que saber antes de comprar um modelo de entrada?
Imagem: Unsplash / Afif Kusuma
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

Nem todos os consumidores estão dispostos a investir em celulares intermediários ou avançados, e muitas vezes as especificações de um modelo de entrada já são suficientes para satisfazer as necessidades básicas. Porém, com a infinidade de marcas, linhas e modelos que existem no mercado, é importante, mesmo para quem quer gastar menos, conhecer os principais aspectos do smartphone, a fim de evitar riscos ou arrependimentos depois do investimento.

Com o advento das novas tecnologias e a evolução das câmeras, chips, memórias e outros componentes, os smartphones básicos estão se aposentando rapidamente e dando lugar a celulares capazes de apresentar desempenhos regulares em todos os recursos. Assim, muitas pessoas que decidem investir no "mais barato" acabam desembolsando valores acima de R$ 1000 sem entender se estão fazendo o melhor negócio.

O preço determina a escala utilitária do smartphone? Ainda existem modelos básicos que compensam o investimento? Como saber se o celular que estou comprando terá um bom desempenho para o que preciso? Confira abaixo as respostas para as principais dúvidas em relação à aquisição de um celular de entrada.

O que é um celular de entrada e quanto custa?

Celulares de entrada são os mais baratos do mercadoCelulares de entrada são os mais baratos do mercadoFonte:  Unsplash / freestocks 

O smartphone de entrada é um celular barato que traz especificações simples, desde os componentes que determinam a velocidade de uso até o material utilizado para seu acabamento. Normalmente, esses dispositivos possuem funções smart básicas, aliadas a um armazenamento mais limitado e a um sistema incapaz de executar várias tarefas em um mesmo instante.

Atualmente, no Brasil, os smartphones de entrada custam em torno de R$ 800 a R$ 1000, valores considerados salgados devido à alta do dólar e impostos incidentes. As marcas mais populares entre os modelos são Samsung, Motorola, LG e Xiaomi (todos com sistema operacional Android), que se destacam por seus catálogos diversos e voltados para todo tipo de público.

Como avaliar a performance de um celular barato?

Antes de avaliar a performance de um celular barato, é importante identificar qual a principal finalidade que será explorada, além de entender um pouco sobre como os componentes do celular podem impactar no seu dia a dia. Assim, é preciso decidir se irá investir em um modelo que tire boas fotos, reproduza mídias com boa qualidade e sem travamentos, tenha uma bateria que atenda por longos períodos de tempo e possua um espaço mínimo para acessar os aplicativos favoritos e armazenar suas futuras atualizações.

Tela e design

Os modelos de entrada surgem com bordas mais largas e se diferenciam por não sofrerem a adaptação para o formato slim, sendo mais pesados e robustos. Suas telas, normalmente na categoria LED, não chegam a atingir resoluções profundas das de 6" ou superior, como ocorre em smartphones intermediários e avançados, mas exibem qualidades satisfatórias em HD (720p) e não trazem tanto impacto para quem deseja um celular barato, já que a exigência em conteúdos de mídia não é uma das prioridades.

Em relação às câmeras, os celulares de entrada trazem uma lente de selfie padrão (5 MP) e um ou dois sensores traseiros com desempenho regular, conseguindo capturar imagens para compartilhar em redes sociais, mas com um baixo desempenho de especificações se comparadas aos cliques tirados em sistemas de câmeras avançadas de 64 MP a 108 MP, por exemplo.

As câmeras dos modelos de entradas costumam ser mais básicasAs câmeras dos modelos de entradas costumam ser mais básicasFonte:  Unsplash / David Sarkisov 

Memória e processamento

Para muitos, o poder de memória e processamento são as especificações mais importantes de um celular, e eles determinam o funcionamento adequado do dispositivo durante o uso de qualquer serviço. Boa parte dos celulares básicos vêm com uma memória RAM de 2 GB a 4 GB de fábrica, não sendo uma grande vantagem, mas suprindo uma execução básica de aplicativos.

Porém, além de sacrificarem o poder de processamento ao incluir chips menos eficientes, os smartphones mais básicos largam mão de uma série de funções, como reconhecimento facial, biometria, Bluetooth 5.0, carregamento rápido por USC-C e outros detalhes que podem não fazer falta, mas que alteram a experiência dependendo do uso do consumidor.

Armazenamento

Geralmente os celulares de entrada vêm com um armazenamento interno de 32 GB ou 64 GB, com possibilidade de expansão variada de acordo com a marca e com a linha. Nesse caso, optar por o máximo de espaço disponível é essencial para acabar com as preocupações sobre ausência de memória, já que geralmente ela se esgota rapidamente após o download e atualização de aplicativos, salvamento de fotos e vídeos, e o próprio uso do sistema operacional.

Bateria

Ter uma bateria com uma boa duração, que suporte o dia inteiro de uso, é sempre um ponto a se considerar, principalmente se a necessidade do usuário for ter um aparelho que atenda suas urgências e esteja sempre de prontidão para mensagens e chamadas. Assim, vale a pena pesar o tipo de carregador, sua potência, tensão e outras características na hora da compra.

Sugestões de modelos de entrada

Smartphone Motorola Moto G10

Imagem: Smartphone Motorola Moto G10, 64GB
Imagem: Tecmundo Recomenda

Smartphone Motorola Moto G10, 64GB

O Smartphone Moto G10 da Motorola é dual chip e conta com uma tela de 6.5" com resolução HD+. Possui processador Qualcomm Snapdragon 460, Android 11, 64GB de memória interna e 4GB de RAM.

O celular Motorola G10 é um popular smartphone de entrada que traz especificações básicas de 4 GB de RAM, câmera quádrupla de 48 MP, armazenamento de 64 GB (com possibilidade de expansão) e resolução Full HD, porém em uma grande tela de 6,5" e com sistema operacional Android 11. Com preços a partir de R$ 1050, o dispositivo também conta com HDR, impressão digital, Bluetooth 5.0 e uma bateria de 5.000 mAh.

Smartphone Samsung Galaxy M12

Imagem: Smartphone Samsung Galaxy M12, 64GB
Imagem: Tecmundo Recomenda

Smartphone Samsung Galaxy M12, 64GB

O lançamento da Samsung chega ao Brasil com tela de 6,5 polegadas e resolução HD+ (1600 x 720 pixels). O destaque do componente fica pela taxa de atualização de 90 Hz.

O Samsung M12 é um celular barato (preço sugerido de menos de R$ 1000) com ótimas especificações, já que conta com um bom processador octa-core de 2 GHz, 4 GB de RAM, câmera quádrupla de 48 MP, bateria de 5.000 mAh e um armazenamento de 64 GB com possibilidade de expansão via cartão MicroSD de 1 TB . Seus destaques ficam por conta da grande tela LED de 6,5" com proteção Gorilla Glass e dos recursos de impressão digital, Bluetooth 5.0 e Android 11.

Smartphone Realme C3

Imagem: Smartphone Realme C3, 64GB
Imagem: Tecmundo Recomenda

Smartphone Realme C3, 64GB

Comporta at2 chips (Dual SIM), octa-core e com câmera traseira tripla. Também conta com 3 GB de RAM e uma tela cheia de 6,5 polegadas.

Modelo de entrada padrão, o celular Realme C3 atende as necessidades básicas do usuário, tem um hardware comparado a intermediários, porém com alguns sacrifícios. Por menos de R$ 1000, o smartphone vem com um processador de 1,8 GHz, memória RAM de 2 GB, câmera dupla de 12 MP e armazenamento interno de 32 GB, tudo integrado em um display LCD HD de 6,5" com sistema operacional Android 10, Bluetooth 5.0, bateria de 5.000 mAh e uma série de recursos de gravação.