ASUS Zenbook Duo UX482 REVIEW: não é para você nem para mim

10 min de leitura
Imagem de: ASUS Zenbook Duo UX482 REVIEW: não é para você nem para mim
Imagem: TecMundo
Avatar do autor

O Zenbook Duo é um notebook poderoso e que tem uma ideia excelente: eliminar aquele monte de espaços vazios que normalmente ficam dos lados do trackpad e trocar isso por uma segunda tela grande, totalmente funcional. E, no modelo que a ASUS lançou no Brasil faz mais ou menos 1 mês, isso está ainda melhor do que na primeira geração, graças a algumas melhorias que tornaram o uso mais confortável e eficiente.

Agora que eu passei quase 1 mês testando esse modelo, posso dizer para vocês que ele com certeza é uma opção excelente para um nicho muito específico de pessoas, especialmente os criadores de conteúdo; porém, por mais que as tecnologias dele sejam tão legais que eu adoraria ter um, esse nicho de criadores para o qual ele seria indicado é tão pequeno que eu mesmo não me incluo nele. Se você quer entender se esse é o seu caso ou se só ama tecnologias diferentes, então continue aqui comigo.

Design

Com a tampa fechada, o Zenbook Duo parece um notebook premium bem comum, feito de uma liga de alumínio com magnésio com os círculos concêntricos típicos ao redor da logo não centralizada da ASUS, dando aquele "tchã" no visual, especialmente quando bate alguma luz em movimento nele. Enfim, ele está mais fino e leve do que a geração anterior e, para os meus padrões, isso é sim o suficiente para ser considerado fácil de ser levado por aí, por mais que existam muitos outros notebooks premium poderosos que são mais finos e leves do que ele.

No lado direito, há uma porta USB 3.2 tipo A, o que é bom para ligar acessórios, além de um leitor de cartões micro SD e uma entrada para fone de ouvido com microfone. Do lado esquerdo, há um conector HDMI e duas portas USB-C Thunderbolt 4. Não tem entrada específica para carregador porque o carregador que vem deve ser conectado justamente a uma dessas. Isso significa que, quando você precisar carregar, vai ficar com uma porta a menos para usar, o que, dependendo do seu uso, torna um hub desses aqui praticamente obrigatório, mas a ASUS não manda um junto.

Seja como for, é abrindo a tampa que a gente vê as diferenças entre o Zenbook Duo e os notebooks comuns. Para a segunda tela caber ali em cima, e daqui a pouco eu falo mais sobre ela, a ASUS espremeu o teclado embaixo e o trackpad do lado direito, o que foi uma ideia muito boa, mas apresenta alguns "efeitos colaterais".

O principal é que esse notebook não tem o espaço de apoio para os pulsos quando você está digitando. Isso não chega a ser um problema quando você está usando o aparelho sobre uma mesa, até porque o design da tampa a faz se transformar em um pé quando está aberta, fazendo-o ficar inclinado e diminuindo o desnível entre a mesa e o teclado para se conseguir esse apoio.

Zenbook DuoZenbook Duo (Imagem: ASUS/Divulgação)

Além disso, a ASUS incluiu na caixa um acessório magnético que você pode colar embaixo do notebook e dobrar para virar um pé maior, que aumenta a inclinação mais ainda e deixa a posição de uso bem legal. Só que, de novo, isso vale para quando você está em uma mesa, porque no colo você fica sem apoio mesmo e aí vai cansar depois de usos prolongados nessa posição. Se for o seu caso, faça alongamentos regulares para não acabar com tendinite.

O segundo efeito colateral negativo desse design é o formato e a posição do trackpad. Espremido ao lado, ele acabou no formato de um retângulo vertical, o que frequentemente faz ser necessário mais “remadas” com o dedo para você conseguir cruzar a tela na horizontal com o ponteiro do mouse. Além disso, essa posição na direita gera um pouco de estranhamento até você se acostumar. Depois de um tempo, eu me acostumei e até gostei desse layout, mas eu sou destro, né. Imagino que canhotos provavelmente sofreram mais.

Outra mudança no design tem a ver com a abertura da tampa, que causa o acionamento de uma alavanca que inclina mais ainda o segundo display. Isso faz ele ficar mais virado na sua direção, fugindo de reflexos de luzes vindas de cima e evitando que você tenha que ficar esticando o pescoço para enxergar o que está sendo exibido ali. E não preciso dizer que o ângulo fica melhor ainda quando você usa o suporte magnético também, né?

Além disso, essa inclinação extra da tela tem outras vantagens. Ela faz o conteúdo exibido ficar mais alinhado ao da tela principal, o que facilita a integração das duas, e serve para abrir um espaço maior para o ar fluir às ventoinhas, que estão com a entrada de ar justamente ali. Assim, o notebook esquenta menos, o que é ótimo, mas me faz imaginar que ele também é mais vulnerável a líquidos derramados acidentalmente, o que eu não quis testar para ver.

Tela e interface

Começando pela tela principal, que tem 14 polegadas na proporção, padrão de 16:9 e com bordas bem fininhas, que a ASUS chama de Nano Edge, e permitem que a proporção de tela para o corpo seja de 93%. Ela é IPS, sensível ao toque, tem resolução Full HD e certificação Pantone de precisão de cores, o que é um conjunto excelente especialmente para quem trabalha como designer, fotógrafo, editor de vídeos ou outros tipos de serviço visual. Dá para resumir aqui dizendo que a qualidade é sim excelente, tanto para esses trabalhos quanto para assistir a vídeos e jogar, mas em um notebook na faixa de preço desse aqui seria legal se o display principal fosse 4K.

Zenbook DuoZenbook Duo. (Imagem: ASUS/ Divulgação)

Já a tela IPS secundária, que a ASUS chama de Screen Pad+, tem uma área total de 12,65", também é touch e tem uma resolução que a gente não pode exatamente chamar de Full HD por causa do formato fora do padrão, mas que tem uma densidade de pixels bem próxima, então você nem sente a diferença na definição.

O brilho dela é quase tão forte quanto o da tela principal e, com a angulação extra do sistema que eu já expliquei e do suporte magnético, a visualização dela fica ótima. Não tem certificação Pantone ou algo do tipo aqui, mas como o objetivo dela é atender só às funções mais secundárias, isso não é um problema.

Unindo esses displays, a ASUS adicionou funções de software que permitem ao Screen Pad não só funcionar como um segundo monitor, mas também trazer uma boa integração e recursos extras para as duas telas. Arrastando uma janela com o mouse ou o dedo, aparece um menu flutuante que tem uma opção que permite expandir a janela para que ela continue na tela de baixo.

Já arrastando para a seta, você pode facilmente jogar a janela para a tela de baixo e, se você passar pela seta e continuar arrastando para baixo, dá até para escolher onde na tela você quer posicionar a janela. Também é possível trocar rápido o conteúdo das duas telas entre si, apertando o botão com as duas setas que ficam no teclado entre o trackpad e a tela ou, do lado do botão que permite ocultar, desligar ou religar a segunda tela, o que aliás ajuda bastante quando você precisa economizar bateria e não faz questão de ter essa segunda tela disponível. Tem horas que só um notebook comum basta.

Eu gostei bastante também das opções de customização, tanto da posição da central de controle quanto das funções que ela exibe em destaque. Para mim, o mais legal foi poder configurar atalhos para abrir conjuntos diferentes de aplicativos já na minha posição favorita nas duas telas.

Zenbook DuoZenbook Duo. (Imagem: ASUS/Divulgação)

Só que a função que eu acho ser a mais interessante para quem pretende usar o Zenbook Duo profissionalmente é o painel de controle do ScreeXpert, que deixa você criar uma interface personalizada de botões, discos e barras deslizáveis para as funções que você mais usa nos principais softwares da Adobe, incluindo After Effects, Lightroom Classic, Photoshop e Premiere Pro. Toda vez que você abre esses programas essa interface já estará ali para você usar.

É exatamente esse tipo de recurso que torna a segunda tela tão interessante, mas como eu falei lá no começo, só vai ser realmente útil se você for o tipo de criador de conteúdo que usa esses programas. Eu mesmo não sou.

Fora isso tudo, o que temos aqui é o Windows Dez Home rodando muito bem, com direito a desbloqueio por reconhecimento facial com o Windows Hello se você quiser.

Hardware

O hardware que alimenta todas essas funções também é "bem redondo". No Brasil, essa geração do Zenbook Duo chegou com um processador Intel Core i7 de Décima Primeira geração, 16 GB de RAM LPDDR4X e um SSD de alta velocidade com 1 TB de armazenamento. E, para completar, ele vem ainda com uma placa de vídeo GeForce MX450.

Para quem não sabe, essa é uma linha de placas de vídeo da NVIDIA que é voltada para esses notebooks mais finos, então ela acaba não sendo tão poderosa quanto as placas maiores da marca. Para vocês terem uma ideia, essa aqui tem um desempenho um pouco inferior ao de uma GeForce 1650, por exemplo.

Em outras palavras, com esse conjunto, você tem um hardware que é muito mais do que você vai precisar para a maioria das tarefas cotidianas e trabalhos simples, que envolvam só aquele conjunto de navegador, pacote Office e algo do tipo. E até para tarefas que dependem de algum poder gráfico, como renderizar um vídeo em Full HD, o Zenbook Duo vai sim quebrar um bom galho.

Zenbook DuoZenbook Duo. (Imagem: ASUS/Divulgação)

Dá até para jogar alguns games não tão básicos, mas que também não exigem demais, pois ele aguenta sem problemas. Ele só não vai ser tão rápido para trabalhos mais intensivos quanto um PC que tenha uma placa de vídeo equivalente ou superior a uma 1650.

Vale falar também da webcam dele, que consegue filmar em HD e faz um trabalho decente nas videochamadas, mas também não chega a impressionar de verdade.

Bateria e áudio

Indo para a bateria, a ASUS diz que as reservas do Duo permitem aguentar 17 horas de uso se você deixar a segunda tela desligada – o que é bom como uma opção, mas meio que eliminaria o propósito de investir em uma máquina dessas.

Com a segunda tela ligada, durante os meus testes eu consegui passar por um dia inteiro de trabalho, o que para mim envolve escrever bastante, navegar um pouco pela internet, participar de uma videochamada ou outra e acompanhar os nossos vídeos no canal. Ele aguentou 8 horas disso todo o dia e sem sufoco, mas sem muita sobra também, com as duas telas ligadas o tempo inteiro.

Já com tarefas mais intensivas, como com algumas horas de jogo além do trabalho, eu consegui matar a bateria dele em pouco mais de 6 horas, o que ainda assim é um resultado bom.
Vale ainda mencionar que o Zenbook Duo vem com áudio certificado pela Harman Kardon, e na minha condição humilde de não audiófilo, eu achei que eles entregaram um áudio rico e forte.

Vale a pena?

Ok, então se você acompanhou até aqui acho que vai entender quando eu resumir falando que o Zenbook Duo é sim uma baixa máquina, por mais que a segunda tela seja uma vantagem pequena demais para a maioria das pessoas, incluindo eu mesmo. Para gente como a gente, eu sinto que isso não vale o investimento de R$ 18 mil que a ASUS está cobrando. E isso é à vista, tá? Parcelando ele sai por R$ 20 mil. Pagar menos que isso só importando e, mesmo assim, você ainda tem que desembolsar mais de 10 mil.

Aí realmente não tem como valer a pena para a enorme maioria das pessoas. Talvez se você for um designer ou editor de vídeos que viaja bastante e quer uma opção de máquina boa para poder levar por aí sem ter que carregar equipamentos maiores e mais pesados ou então se você costuma fazer lives em eventos e não quer levar um setup com vários monitores.

Enfim, são casos bem específicos e, mesmo assim, você ainda vai ter que pensar por conta própria para decidir se vale o investimento para você. Por mais que eu jamais fosse comprar um desse, o que eu posso dizer é que gostaria sim de ter um.

E o que você achou do novo Zenbook Duo? Mande sua opinião e as dúvidas que tiver aí nos comentários.

ASUS Zenbook Duo UX482 REVIEW: não é para você nem para mim