Roupa inteligente usa suor e movimentos para gerar eletricidade

1 min de leitura
Imagem de: Roupa inteligente usa suor e movimentos para gerar eletricidade
Imagem: Lu Yin
Avatar do autor

Nanoengenheiros da Universidade da Califórnia, em San Diego nos EUA, publicaram um estudo na revista Nature na semana passada (9) que resolve um problema para a implantação efetiva das roupas “inteligentes”: a geração de eletricidade para alimentar todos os seus sensores, atuadores, telas e sistemas.

A solução, proposta por Lu Yin e seus colegas, é juntar todos os progressos obtidos nessa área nos últimos anos e combiná-los em uma única roupa, batizada de “microrrede de vestir”, uma rede de distribuição dividida em: células de biocombustível movidas a suor, nanogeradores triboelétricos carregados por movimento e supercapacitores de armazenamento de energia.

A ideia, explicada por Yin em um comunicado, é reunir todas essas peças -- que são flexíveis, laváveis e imprimíveis -- em uma única rede de distribuição de eletricidade de pequeno porte que, a exemplo de qualquer microrrede urbana, possa ser alimentada de forma sustentável, confiável e autônoma.

Como a microrrede de vestir produz eletricidade?

As células a biocombustível, capazes de coletar energia do suor, ficam na parte interna da camisa, no peito. Já os dispositivos que convertem energia do movimento em eletricidade, os chamados geradores triboelétricos, ficam do lado de fora, nos antebraços e nas laterais do torso, perto da cintura. A energia é captada do movimento dos braços contra o torso, durante as caminhadas ou corridas.

Finalmente, os supercapacitores, também localizados fora da camisa, armazenam temporariamente a eletricidade produzida pelos dois dispositivos, e a liberam aos poucos para alimentar os aparelhos eletrônicos que a pessoa usa.

Em uma sessão de 30 minutos, sendo dez de exercícios em bicicleta ergométrica, seguidos de mais 20 minutos de descanso, a nova roupa produziu energia capaz de alimentar um smartwatch com LCD ou uma tela eletrocrômica, dispositivo que muda de cor em resposta a uma tensão, durante a meia-hora.

Segundo o professor Joseph Wang, que coordenou o projeto, o próximo passo será fazer um roupa capaz de coletar energia enquanto o usuário está sentado, em home office por exemplo.


Roupa inteligente usa suor e movimentos para gerar eletricidade