Ensino a distância: como proteger alunos de ataques virtuais?

2 min de leitura
Patrocinado
Imagem de: Ensino a distância: como proteger alunos de ataques virtuais?
Avatar do autor

Apesar de grande parte das crianças e dos jovens terem contato com a tecnologia desde cedo, muitos pais e professores não estavam preparados para a transferência da rotina escolar dos filhos para dentro de casa.

O ensino a distância, adotado por instituições durante a pandemia, exigiu a adaptação de diversos atores dessa nova realidade estudantil, incluindo o ambiente de estudo. Nesse sentido, uma característica que passou despercebida por diversas pessoas é fundamental no cuidado com os alunos: a segurança digital.

Um exemplo que pode ser estendido aos pequenos é o que foi revelado pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN). De acordo com este, ao menos oito universidades registraram ataques a atividades acadêmicas desde que começou a pandemia, que incluíram invasões a reuniões virtuais e exibição de conteúdo agressivo, como pornografia.

plataformasFragilidade de plataformas expõe estudantes a riscos. (Fonte: Pexels)

Antonio Gonçalves, presidente da instituição, alerta: "Esses ataques virtuais mostram o quanto são frágeis esses ambientes virtuais e apontam ao que poderão estar expostos estudantes e docentes. Além de lidar com todas as dificuldades de infraestrutura, acesso, organização de tempo e também questões subjetivas, a comunidade acadêmica também está exposta a interrupção das atividades e ao impacto emocional negativo que essas agressões têm".

Quando se pensa em crianças e adolescentes, portanto, é preciso mais cuidado ainda.

Equipamentos e plataformas importam

Indo na contramão dessa fragilidade, uma das empresas que se dedicam a estudar novos fenômenos educacionais é a Acer, que, em sua publicação Acer for Education 2020, explica: "As formas como as pessoas interagem, socializam e trabalham estão mudando rapidamente, criando um sistema de valores totalmente novo. A Acer construiu um ecossistema alargado para fornecer soluções inovadoras e abrangentes à comunidade de ensino".

Para assegurar a integridade dos alunos, ainda de acordo com a empresa, é preciso investir em soluções adaptáveis que abrangem todas as necessidades da educação, desde soluções de software centradas na educação a tecnologias inovadoras, como a realidade mista, algo realizado pela companhia. "A nossa premiada assistência e suporte ao cliente são essenciais para ajudar os professores, os alunos, as escolas e as instituições educativas a evitar que problemas técnicos perturbem o processo de aprendizagem", foi explicado na publicação.

adaptaçãoCom a adaptação adequada, alunos, pais, professores e instituições de ensino têm muito a ganhar. (Fonte: Pexels)

Portanto, para assegurar o andamento tranquilo das aulas e otimizar a experiência ao máximo, é necessário mais que um bom antivírus e controle parental. É preciso que os equipamentos e as plataformas utilizados estejam à altura das necessidades. Assim, o novo dia a dia estudantil será adequado tanto para quem estuda quanto àquele que cuida dos futuros profissionais.

Ensino a distância: como proteger alunos de ataques virtuais?