TigerLake: 11ª geração de chips Intel quer revolucionar notebooks

3 min de leitura
Imagem de: TigerLake: 11ª geração de chips Intel quer revolucionar notebooks
Avatar do autor

A Intel acaba de anunciar a sua 11ª geração de processadores Core em um evento online para todo o mundo. Os novos chips, como esperado, trazem mais performance em várias frentes, mas a empresa falou muito pouco em números brutos.

A marca está incluindo as GPUs Iris X na plataforma e finalmente migrou para uma litografia de 10 nm. Atrasada para essa festa, a Intel precisou “causar” na hora da entrada, e o novo produto parece realmente promissor. Tanto é que a empresa chama sua nova família de “melhores chips do mundo para computadores finos e leves”.

Algumas demonstrações foram feitas durante o evento comparando a 11ª geração com soluções similares da AMD e até da NVIDIA para notebooks.

Com a nova geração, foi apresentada também a arquitetura Willow Cove, que combinada aos 10 nm permite processadores menores, mais eficientes e com frequências maiores. A Intel garante até 4,8 GHz nesses chips para notebooks.

Apesar disso, o foco mesmo foram as possibilidades que a nova geração de chips vai trazer para o mercado de notebooks. Em estimativas da Intel, ferramentas para produção de conteúdo, como audiovisual, ficaram 2,7 vezes mais rápidas. A empresa mostrou o Adobe Premiere renderizando e exportando vídeos em 4K em uma fração do tempo habitual. No geral, a produtividade dos usuários deve aumentar em 20% com as novas máquinas, segundo a marca.

intelNova geração de chips intel para notebooks migrou para 10 nm (Reprodução/Intel)

Além de serem ferramentas de trabalhado aprimoradas, os computadores com a 11ª geração de chips da Intel devem entregar 2 vezes mais performance em “games populares”. A Intel fez algumas comparações de entrega de FPS para endossar isso, mas a gente sabe que testes em laboratório nem sempre se refletem no mundo real perfeitamente, então é melhor esperar os testes feitos por veículos independentes nesse sentido.

Revolucionar o notebook

Apesar da migração para os 10 nm, nova arquitetura, mais desempenho e GPUs mais potentes, o que realmente importa entre todas as novidades da Intel é o que a marca conseguiu fazer com o Projeto Athena nessa geração de processadores.

O “casamento” da nova geração apelidada de Tiger Lake com o tão esperado Projeto Athena da Intel deu origem à plataforma “Intel EVO”, que vai servir como uma marca de certificação para produtos de fabricantes de notebooks.

Todos os produtos da plataforma EVO terão que seguir algumas especificações mínimas de hardware e desempenho. Por exemplo, ao abrir a tampa do PC, o sistema precisa estar pronto em menos de 1 segundo para o usuário começar a trabalhar.

Eles também precisarão contar com Wi-Fi 6 para alta velocidade de transferência de dados na internet e conexões Thunderbolt 4 multifuncionais. Essa nova porta segue o formado de USB-C, sendo capaz de conectar dois ou mais monitores 4K a 60 Hz através de um único cabo.

A Intel ainda vai garantir 9 horas de autonomia de bateria para os produtos EVO em “uso típico”. Haverá também carregamento rápido em todos os modelos.

Já na primeira leva de máquinas feitas nesse padrão EVO, serão lançados nos próximos meses cerca de 150 modelos de notebooks finos e leves por marcas como Acer, ASUS, Dell, Dynabook, HP, LG, Lenovo, MSI, Razer, Samsung e algumas outras. Isso tanto no Windows 10 da Microsoft quanto no Chrome OS da Google.

intel evoPlataforma EVO é o resultado do Projeto Athena. (Reprodução/Intel)

A Intel também falou um pouco sobre a integração de IA em seus novos chips para conseguir melhor eficiência em praticamente tudo. Em uma demonstração, a empresa fez uma chamada de vídeo no Microsoft Teams mostrando como a IA do chip consegue eliminar ruído de fundo para não interferir no som dos interlocutores.

Apesar disso, nenhuma data concreta para lançamento de novos produtos EVO ou com chips Tiger Lake foi revelada.

Confira as especificações de alguns dos chips que a marca está lançando.

intel tiger lake

TigerLake: 11ª geração de chips Intel quer revolucionar notebooks