Como uma startup dos EUA quer revolucionar as impressões 3D

1 min de leitura
Imagem de: Como uma startup dos EUA quer revolucionar as impressões 3D
Fonte: Carbon
Avatar do autor

A Carbon, empresa de tecnologia dos Estados Unidos especializada em máquinas de impressão 3D, fechou uma parceria com a Adidas para a criação do primeiro tênis de alta performance com base em uma nova tecnologia desenvolvida pela empresa.

Porém, ela pretende ir muito além, já que tem trabalhado para promover uma mudança significativa — e até mesmo dramática — sobre o que é possível fabricar via impressão 3D.

O foco é criar designs cada vez mais avançados, flexíveis, resistentes, com um processo de produção alternativo, com base em propriedades de material ajustadas e componentes criados em uma única passagem, no lugar de serem construídos a partir de uma coleção de peças.

Por exemplo, um grupo de astronautas em uma missão espacial poderia construir as peças de reposição de acordo com a necessidade, em vez de carregar todo um inventário. E, claro, a Carbon também aponta para a possibilidade de as pessoas imprimirem suas próprias armas em 3D.

Diferenciais

Pelos pontos abordados acima, já deu para perceber que a empresa tem uma abordagem muito parecida com a de outras do segmento de impressões 3D: construção de objetos ou componentes camada por camada, o que permite a criação de formas que não seriam possíveis usando os métodos tradicionais de usinagem, moldagem ou fundição.

O que torna o processo de produção de cada item diferente é o método específico desenvolvido e utilizado pela empresa. Chamado de Digital Light Synthesis, ele consegue direcionar de forma sensível e muito cuidadosa a luz ultravioleta de baixo para cima por meio de uma janela especial, para, assim, solidificar a resina líquida.

A própria empresa explica que seu “pincel” não são as máquinas, mas sim esse processo fotoquímico que realiza um equilíbrio perfeito entre luz e oxigênio, agilizando a produção das peças e aumentando a qualidade.

A Carbon conseguiu recentemente um financiamento de 260 milhões de dólares. Isso vai permitir que ela desenvolva soluções ainda mais incomuns e com processos mais eficazes, como produtos mais fáceis de reciclar ou itens com cores injetadas em diferentes partes do objeto e feitos de vários materiais com propriedades diversas.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Como uma startup dos EUA quer revolucionar as impressões 3D