HP já havia anunciado em janeiro uma expansão no seu programa de recall para solucionar o risco de incêndio na bateria de alguns modelos de laptops. O problema maior é que a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo dos Estados Unidos ainda não havia publicado em seu site o recall devido à paralisação do governo americano.

As baterias afetadas foram vendidas em notebooks de dezembro de 2015 a abril de 2018 e separadamente entre dezembro de 2015 e dezembro de 2018

O primeiro recall aconteceu ainda em janeiro de 2018. Ele foi expandido em janeiro de 2019, mas não recebeu a “publicidade” que deveria – a Comissão de Segurança de Produtos de Consumo dos Estados Unidos deveria ter anunciado imediatamente o aviso da HP, porém, não foi o que aconteceu. No primeiro recall, foram 50 mil baterias com problemas e, no segundo, 101 mil.

Desde então, a empresa “recebeu oito novos relatos de superaquecimento, derretimento ou carbonização de baterias nos Estados Unidos, incluindo um caso de pequenas lesões e dois de danos materiais totalizando US$ 1,1 mil”. As baterias afetadas foram vendidas em notebooks de dezembro de 2015 a abril de 2018 e separadamente entre dezembro de 2015 e dezembro de 2018. Para você verificar se o seu computador está incluído nesse recall, acesse o sete da HP clicando neste link.