Inédito: novo aparelho de VR iguala resolução do olho humano a 3.000 ppi

2 min de leitura
Imagem de: Inédito: novo aparelho de VR iguala resolução do olho humano a 3.000 ppi
Fonte: varjo
Avatar do autor

O segmento da realidade virtual não decolou como muitas empresas vinham esperando nos últimos anos, mas uma companhia chamada Varjo acabou de lançar o que pode ser o melhor dispositivo para visualização de realidade virtual por muitos anos, o VR-1. Isso porque, tecnicamente, a resolução dos displays desse dispositivo é igual à do olho humano, chegando a impressionantes 3.000 pixels por polegada (ppi).

É curioso destacar que essa seria uma “Tela Retina” de verdade e não os displays que a Apple vende em seus iPhones e Macs. Claro que se tratam de categorias totalmente diferentes, mas só para termos comparativos, o melhor smartphone da Maçã no momento, o iPhone XS, tem uma densidade de apenas 458 ppi.

As telas do VR-1 são compostas por quatro módulos. Dois centrais totalmente dentro do campo de visão do usuário e mais dois para cada olho obter uma visão periférica mais interessante. Os displays principais foram construídos com tecnologia micro OLED e resolução de 1920×1080.

Essa contagem pode não surpreender você, mas considerando o tamanho dessas telas dentro dos óculos de VR, a densidade é de fato impressionante. As duas telas auxiliares também não são nada simples. Elas foram construídas no padrão AMOLED e conta com 1440×1600 pixels.

A combinação desses quatro displays é chamada pela Varjo de “Bionic Display”

A combinação desses quatro displays é chamada pela Varjo de “Bionic Display” pelo fato de igualar a qualidade de reprodução das imagens encontrada no olho humano. Em outras palavras, qualquer resolução superior a isso seria desnecessária.

A Varjo inclusive divulgou algumas imagens comparando a qualidade das imagens fornecidas por HTC Vive Pro — o melhor da categoria até agora — e pelo VR-1. É possível notar que, ao aproximar o quadro, as imagens no aparelho da HTC começam a ficar seriamente pixelizadas. Enquanto isso, o VR-1 continua com excelente qualidade.

Mas, de acordo com o pessoal do ARS Technica, que teve a oportunidade de testar o produto, há um pequeno ponto negativo. Pelo fato de as telas serem compostas serem por mais de um display, é possível notar uma divisão ou "auréola" no fundo das imagens. Nada que comprometa a experiência no geral.

O VR-1 não foi desenvolvido para uso doméstico ou recreativo. Ele é um aparelho profissional, focado em pesquisa e desenvolvimento de software 3D para VR. Em outras palavras, é com esses óculos que os profissionais de novos games e experiências em VR vão desenvolver suas criações no futuro.

É com esses óculos que os profissionais de novos games e experiências em VR vão desenvolver suas criações no futuro

Apesar disso, a plataforma será compatível com o SteamVR da Valve e já permite o uso com vários tecnologias de renderização em 3D, tais como Unreal, Unity, Autodesk VRED, PREPAR3D, ZeroLight e VBS Blue IG.

Só que, por se tratar de um produto profissional, o preço é alto. O produto em si custará US$ 5.995, o equivalente a R$ 22,2 mil na cotação de hoje desconsiderando impostos. A Varjo também vai cobrar uma assinatura anual de US$ 995 (R$ 3,6 mil) pela licença do produto. Incialmente, pelo menos, pessoas físicas não poderão fazer a compra, somente negócios e intuições acadêmicas.

Infelizmente, o produto não será vendido no Brasil. A fabricante confirmou, contudo, que ele chegará a 34 países na América do Norte, Europa e a Hong Kong.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Inédito: novo aparelho de VR iguala resolução do olho humano a 3.000 ppi