Uber avalia compra de startup de aluguel de patinetes elétricas

1 min de leitura
Imagem de: Uber avalia compra de startup de aluguel de patinetes elétricas
Avatar do autor

Estar em todo o mercado de transporte por demanda parece ser mesmo um dos maiores desejos da Uber. Segundo relatório publicado pelo site de negócios e tecnologia The Information, a companhia agora tem interesse em adquirir pelo menos uma de duas importantes empresas de aluguel de patinetes elétricas dos Estados Unidos: a Bird e a Lime. Além de as jovens startups serem concorrentes, são também unicórnios, ou seja, tiveram como última avaliação valores acima de 1 bilhão de dólares. Com isso, a possível negociação poderia resultar em um acordo multimilionário.

Conforme o site, a aquisição pela Uber seria uma forma de “expandir ainda mais o mercado em rápido crescimento de serviços de patinetes elétricas”. Os esforços dessa companhia estariam também concentrados em completar as negociações até o final deste ano. Embora as duas empresas estejam liderando o segmento, ainda enfrentam alguns problemas, como a pressão para captar cada vez mais recursos financeiros. Outro ponto é que a Lyft, concorrente da Uber, também oferece esse tipo de serviço em algumas regiões dos Estados Unidos.

Vale ainda lembrar que a Uber já tem uma pequena participação na Lime e, por isso, permitiu por um tempo que seus usuários alugassem bicicletas e patinetes da startup em seu app. Na época, Rachel Holt — diretora de novas modalidades da empresa — apontou que a parceria seria uma passo para que a companhia se tornasse um meio “único para todas as necessidades de transporte”. Por outro lado, o CEO da Bird, Travis VanderZanden, não negou que alguma negociação estivesse a caminho, mas afirmou ao The Information que a empresa não está à venda. Se tudo de fato se concretizar, veremos em 2019 patinetes elétricas da Uber transitando por aí.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Uber avalia compra de startup de aluguel de patinetes elétricas