Você lembra dos pagers, que chamávamos carinhosamente de bip, ou bipe? Para quem é mais novo, trata-se de um aparelhinho que podia ser carregado no bolso antes dos celulares se tornarem mais acessíveis e populares. Ele usava transmissões de rádio para receber mensagens de curtas texto que podiam ser enviadas por meio de uma ligação telefônica para uma central, que repassava o seu recado para o dono do pager por uma taxa.

A última operadora de pagers em funcionamento anunciou que vai encerrar o suporte às mensagens, mas vai dar aos seus usuários até setembro de 2019 para conseguirem uma alternativa para o serviço

No Brasil, eles foram muito populares nos anos 1980 e 1990, mas assim que os celulares ficaram mais baratos, todo mundo migrou para eles. O pager virou um dispositivo quase cult e muita gente gosta de listá-lo entre outras coisas nostálgicas que nos fazem lembrar o passado. No entanto, no Japão, ainda existe um serviço de pager que vai encerrar seu funcionamento em breve.

Comunicação das antigas

Por incrível que pareça, o Japão ainda possui cerca de 1,5 mil pessoas que usam pagers, geralmente funcionários de hospitais que utilizam o aparelho por ele funcionar sem emitir ondas eletromagnéticas, o que pode afetar o funcionamento de certos aparelhos médicos.

A última operadora de pagers em funcionamento, a Tokyo Telemessage, anunciou que vai encerrar o suporte às mensagens, mas para que ninguém fosse pego de surpresa, vai dar aos seus usuários até setembro de 2019 para conseguirem uma alternativa para o serviço. Será que muita gente vai ficar triste no Japão com esse encerramento?