Nos EUA, a ONG Electronic Frontier Foundation fez uma denúncia contra a Epson, enviando uma carta ao Procurador Geral do Texas, Ken Paxton, onde a organização acusa a fabricante de equipamentos de impressão de bloquear o uso de cartuchos de terceiros em suas impressoras.

Não deveria ser uma denúncia se a Epson lançasse novos produtos no mercado avisando aos consumidores sobre o fato de suas impressoras e/ou multifuncionais não funcionarem mais com cartuchos de tinta que não são fabricados pela própria empresa. O que causou indignação à EFF foi o fato da Epson começar a fazer as restrições por meio de atualizações de software que, segundo ela, eram para corrigir brechas de segurança.

Reconhecidamente, a tinta de impressora é um dos líquidos mais caros do mundo. Enquanto o preço médio de uma impressora não chega a ser um valor abusivo, o que se paga por um cartucho com pouquíssimos mililitros de tinta alcança, às vezes, quase o valor de uma impressora nova, dependendo do modelo.

Por esse motivo, grande parte dos usuários recorrem aos cartuchos conhecidos como compatíveis, que são aqueles indicados para funcionar com determinados modelos de equipamentos, mas que não são considerados originais pela empresa fabricante da impressora. Outra prática comum é o uso de cartuchos recarregáveis ou sistemas baseados em tanques de tinta (compartimentos maiores que os de fábrica), quando são implementados por terceiros.

De acordo com a EFF, a prática da Epson não foi transparente e pode prejudicar os usuários, forçando-os a adquirir somente cartuchos originais, que são muito mais caros.