Não é novidade que a forma de utilizar o computador ou dispositivos eletrônicos tem mudado ao longo do tempo. O que antes era possível apenas com teclas físicas hoje pode ser feito com simples toques na tela com dedos ou canetas digitais — esta que permite até a produção de desenhos bastante elaborados. Seguindo essa premissa, uma empresa japonesa criou um dispositivo focado em produtividade, lembrando bastante os antigos consoles de videogame.

Apesar de não muito convencional, o propósito do controle é bastante atrativo. Chamado de Orbital 2 (ou simplesmente O2), busca facilitar o acesso a atalhos repetitivos e não intuitivos de softwares de edição ou de programação, poupando esforço físico e mental do usuário para acessar esses atalhos.

O joystick — com formato que evoca um controle Atari —  possui oito direções que podem ser configuradas, um botão central e pode ser rotacionado. Essa série de possibilidades é pensada para ser acessada pela mão não dominante do usuário, evitando que ele tenha de recorrer ao teclado ou toque na tela para ajustes precisos ou atalhos.

O objetivo é simples e claro: estruturar o melhor ambiente possível para permitir que criadores foquem totalmente na criativade.

O CEO da companhia, Daiki Kanari, é bastante enfático sobre a utilidade de seu dispositivo: "O objetivo do Orbital 2 é simples e claro: estruturar o melhor ambiente possível para permitir que criadores foquem totalmente na criatividade".

Daiki, que foi um dia ilustrador da indústria de games, notou essa necessidade durante o trabalho e percebeu que a interface de um computador não é otimizada para criadores. Constantemente era interrompido pela necessidade de navegar dentro de menus ou decorar novos atalhos, o que prejudicava consideravelmente sua produtividade e concentração.

A campanha do Kickstarter, datada para terminar em novembro, arrecadou US$ 17 mil; seu objetivo é alcançar US$ 44 mil. Após o encerramento, espera-se que o início da produção ocorra no mesmo mês. O começo das vendas não tem data definida, mas será também em 2019.