Em um evento realizado nesta segunda-feira (10) na cidade de São Francisco, a Qualcomm anunciou o Snapdragon Wear 3100, novo chip da companhia para relógios inteligentes que utilizam o WearOS, sistema operacional da Google para dispositivos vestíveis.

O principal destaque do novo chip tem relação com a duração das baterias de relógios inteligentes, um ponto que costuma ser criticado por alguns usuários. De acordo com a Qualcomm, dispositivos equipados com o Wear 3100 devem funcionar por cerca de um a dois dias no modo normal.

Depois desse período, eles poderão entrar em um “modo relógio”, que pode durar por uma semana ou mais até precisar de recarga. No entanto, isso só é possível com todas as funções ‘inteligentes’ desligadas, transformando o dispositivo basicamente em um relógio tradicional.

Um relógio.

Para tanto, o chip recebeu a adição de um segundo processador, menos poderoso que o principal. Ele ficará ativo durante a maior parte do tempo em que o usuário não está interagindo com o aparelho, consumindo menos recursos e consequentemente estendendo o tempo do relógio longe da tomada. O novo chip também promete ser mais eficiente durante o uso do GPS, garantindo cerca de 15 horas seguidas de uso da função, algo voltado especialmente para quem pratica exercícios.

Como o processador principal continuará sendo o mesmo do Wear 2100, o novo chip não deve trazer grandes mudanças em relação ao desempenho, deixando claro que o foco da nova geração é mesmo em melhorar a bateria. A Qualcomm afirmou ainda que novas funções para o modo de economia de energia podem ser lançadas no futuro através de atualizações de firmware.

A produção em massa do Snapdragon Wear 3100 já começou, de acordo com a companhia. Os primeiros relógios a trazer o chip devem ser lançados nos próximos meses, com o Montblanc Summit 2 previsto para chegar às lojas em outubro.