Lá vamos nós para mais uma rodada de especulações sobre o tão falado smartphone dobrável da Samsung, o Galaxy X, que pode ser apresentado no começo de 2019. No último dia 5, o Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos e a Organização Mundial de Propriedade Intelectual publicaram uma patente intitulada “Dispositivo terminal dobrável para usuário e sua exibição”, que descreve variações de funcionalidade de acordo com o posicionamento da tela e ângulo de dobradiça, de forma que o aparelho se pareça com uma concha ou um estojo de maquiagem.

O documento, flagrado pelo site holandês Let’s Go Digital, indica que a tela será flexível e dobrável, bem fina e leve, com certa capacidade de resistência ao impacto externo. Quando desdobrado, o usuário pode observar a totalidade do painel e ao ser inclinado somente 40% da parte superior é que fica ativada. Um “sensor de flexão”, capaz de medir o estado, a velocidade e o ângulo da flexão, seria o responsável por observar até que ponto o dispositivo está no “estado curvo” e também poderia detectar o toque na parte traseira.

No chamado “estado de pré-flexão”, entre 10 e 25 graus, o Galaxy X fecharia suavemente e automaticamente, contanto que o dedo não estivesse mais na parte traseira. Assim, seria mais difícil ficar com o smartphone aberto por engano — e atrapalhar downloads ou ativar algo na tela sem querer, por exemplo.

Ativação da tela flexível seria feita com pressão na parte traseira

Segundo o registro de patente, a parte superior da tela flexível nesse “estado curvo” ou “de concha” seria ativada com a pressão constante do dedo na parte traseira do aparelho. Assim, os smartphone também “entenderia” que não seria necessário ficar na posição completamente aberta. As funcionalidades do display, em um momento inicial, estariam inoperantes e o painel serviria apenas para mostrar informações como hora, clima, mensagens recebidas e chamadas perdidas.

Se o dedo continuasse pressionado na parte traseira, o dispositivo então poderia disponibilizar o restante da tela para o uso do teclado ou do controle da câmera, entre outras opções. O documento ainda apresenta o suporte aos fones de ouvido e à caneta stylus e descreve sensores de toque e movimento, além de conectividade WiFiBluetooth e NFC.

Esse é mais um cadastro que deixa ainda mais dúvidas sobre o design e capacidades finais do aparelho. Pode ser que nenhum deles seja realmente a versão definitiva ou até mesmo que o Galaxy X seja uma amálgama de tudo isso. O jeito é continuar aguardando e seguimos de olho em como deve ser o tão aguardado telefone dobrável da Sammy.