Todo ano há uma grande expectativa com relação aos novos iPhones, pois eles costumam ditar tendências no mercado. Nesta temporada, a agitação em torno dos aparelhos da Apple é ainda maior, já que há muita especulação sobre uso da substituição gradual das telas LCD por OLED nos telefones da Maçã. Contudo, de acordo com informações do Wall Street Journal, a projeção inicial de que os vindouros iPhone X e iPhone X Plus, ambos com OLED, vendam mais parece ter mudado.

Segundo relatórios de fornecedores, a Gigante de Cupertino teria alterado sua previsão inicial e agora acredita que possa vender mais unidades do sucessor do iPhone 8, com LCD, do que os iPhone X e iPhone X Plus juntos. Isso porque a companhia vem encomendando muito mais displays LCD.

Com o sucesso do iPhone X, muitos analistas, baseados em informações de bastidores, apostam que a Apple vá aplicar telas OLED em todos os iPhones, a partir de 2019 — inclusive trocando de vez o leitor de digitais por reconhecimento facial. Contudo, a falta de estoque de OLED mais sofisticada e o acréscimo de US$ 100 em média para sua montagem nos dispositivos talvez tenham feito a Apple mudar de ideia.

Com isso, a empresa espera que seu “iPhone 9” — esse ainda não é o nome oficial — com display de 6,1 polegadas LCD, que deve ficar entre US$ 600 e US$ 700 seja um sucesso e continue sendo atualizado para a próxima temporada. Em tempo: o “iPhone X2”, com OLED de 5,8 polegadas, pode custar entre US$ 800 e US$ 900 e o iPhone X Plus, com OLED 5,6 polegadas, deve sair por US$ 900 ou US$ 1 mil.