NVIDIA revelou hoje (8) o cancelamento de seu programa de parcerias chamado GeForce Partner Program (GPP) após apenas dois meses de sua criação sem muito alarde em março desse ano. O programa era nada mais do que um acordo de parceria com revendedores para que usassem as placas de vídeo da empresa. O problema é que muitos dos envolvidos no GPP passaram demonstrar descontentamento com os termos “opressivos” dos contratos feitos com a NVIDIA.

Os rumores, conjecturas e inverdades vão muito além de sua intenção. Em vez de combater a desinformação, decidimos cancelar o programa

Relatos indicam, inclusive, uma prática anticompetitivas por parte da NVIDIA: o GPP estimulava fabricantes a produzirem PCs usando apenas as placas de vídeo da empresa. Caso optassem por usar GPUs da AMD, deveriam vender seus produtos sob uma marca diferente. Isso faria com que marcas específicas de computadores obrigatoriamente usassem apenas produtos da NVIDIA enquanto durassem seus contratos.

Programa desativado

Em uma nota pública, a NVIDIA afirmou que decidiu “cancelar” o programa, mas sem explicar exatamente o que isso significa. Segundo a empresa, o programa foi vítima de mentiras e boatos e, por isso, decidiu descontinuá-lo: “Os rumores, conjecturas e inverdades vão muito além de sua intenção. Em vez de combater a desinformação, decidimos cancelar o programa”.

Analistas chegaram a comparar o GPP da NVIDIA com as práticas opressivas da Intel nos anos 2000, que forçaram os processadores da companhia em praticamente todos os PCs e resultaram em multas massivas para a empresa. O problema é que o programa de parceria da NVIDA já chegou ao conhecimento dos órgãos competentes e, mesmo com seu cancelamento, pode ser investigado e punido por práticas comerciais proibidas.