Recentemente, nós mostramos no programa The Hardware Show, no nosso canal do YouTube, uma das placas mais cobiçadas do ano: a GeForce GTX 1070 Ti. Na época de lançamento do produto, nós fizemos uma transmissão ao vivo para mostrar a placa em detalhes e também para dar uma pequena demonstração nos jogos.

Com um projeto já amadurecido e com especificações projetadas para se posicionar entre a GTX 1070 e a GTX 1080, a mais recente placa da NVIDIA promete performance impressionante por um preço mais agradável do que as tops de linha da marca.

Tal qual as principais marcas do segmento, a ASUS apresentou seu projeto personalizado com o chip gráfico GeForce GTX 1070 Ti. Parte da família ROG (Republic of Gamers), a nova placa com selo STRIX promete se destacar entre as concorrentes com seu sistema de refrigeração robusto e uma configuração de iluminação para deixar o seu computador mais chamativo.

ROG GTX 1070 Ti STRIX

Nós recebemos a ASUS ROG GTX 1070 Ti STRIX para um review completo. Esta peça tem as principais qualidades do modelo de referência da NVIDIA, mas apresenta um projeto diferenciado, que traz componentes da mais alta qualidade, tecnologias próprias e o design já conhecido da ASUS.

Você que já conferiu o vídeo especial sobre as novas placas GTX 1070 Ti já sabe que, por uma exigência da NVIDIA, placas como esta STRIX têm especificações idênticas às da versão de referência. Contudo, é importante comentarmos que há a possibilidade de ampliar o desempenho geral. Através de uma configuração de overclocking, é possível obter performance similar à da GTX 1080.

Apesar das promessas, fica a dúvida: qual é a real diferença entre esta placa da ASUS e a GTX 1070 Ti da NVIDIA? Como ela se sai na briga com as adversárias? Como de costume, nós rodamos vários testes e fizemos um comparativo, para verificar, inclusive, potencial de overclocking, comportamento em benchmarks e questões como consumo e temperatura.

Especificações

Dados ASUS GTX 1070 Ti STRIX

Design com qualidade STRIX

Muitos gamers podem pensar que design é apenas um quesito estético, mas este é um dos principais diferenciais em uma placa de vídeo, sendo inclusive um ponto que pode garantir vantagem competitiva em termos de performance. É verdade que o desenho do produto é focado principalmente na parte decorativa, mas o design inclui também aspectos que influenciam diretamente na refrigeração do produto.

Sendo uma marca que sempre focou nesse aspecto — e tendo inclusive criado a série STRIX para levar designs inovadores aos jogadores —, a ASUS apresenta aqui mais uma placa com visual robusto. Quem já conhece as placas da marca talvez não veja grande diferenciação nesta peça, uma vez que ela é muito similar à Radeon RX 580 e outras placas recentes da marca.

Primeiro, é importante notar que a ROG GTX 1070 Ti STRIX é uma placa enorme, o que pode ser um ponto negativo para quem tem gabinete menor. As medidas de largura, altura e espessura são parecidas com as da RX 580 que testamos, algo que se deve ao sistema de dissipação exagerado. Dessa forma, a marca também tem aqui uma placa bem pesada, o que pode ser um tanto preocupante.

Design ASUS GTX 1070 ti STRIX

Diferente das concorrentes, a ASUS aposta numa carcaça plástica, o que deixa o produto mais simples em termos de qualidade do material, mas muito mais personalizado. Ela apresenta elementos já vistos na série Strix, como é o caso dos frisos e relevos. Os coolers do tipo Wing Blade ainda estão aqui, deixando o visual mais elegante, já que eles escondem o dissipador gigantesco.

Na questão da iluminação, o projeto da ASUS é o que mais se destaca entre as placas que testamos recentemente. Ela tem um sistema de luzes bem completo e personalizado, já que há LEDs acima, abaixo e na lateral da placa. Todos esses arranjos sbrilham com diferentes cores e efeitos, de modo que é possível configurar tudo no programa da placa.

O backplate também merece destaque, já que estamos falando de uma placa de alto desempenho, então este componente pode ajudar na proteção das peças, bem como na refrigeração como um todo. A ROG GTX 1070 Ti Strix vem com uma saída DVI, duas portas HDMI e duas conexões DisplayPort, sendo então uma placa preparada para quase todas as configurações de telas.

GeForce GTX 1070 Ti : Chip gráfico GP104 com novidades

A GeForce GTX 1070 Ti é uma placa que tem todo o refinamento da arquitetura Pascal, sendo que ela conta com o mesmo chip que vemos na GTX 1070 e GTX 1080. Por se tratar de uma placa que se posiciona justamente entre as duas placas, ela tem algumas limitações em relação à GTX 1080, mas há upgrades consideráveis na comparação com a GTX 1070.

Temos aqui uma das GPUs para desktops mais avançada do planeta, mas agora um pouco limitada para compactuar com o restante do projeto. Ela vem preparada para a próxima geração do DirectX 12 e dos jogos desenvolvidos com a API Vulkan.

Além dessas qualidades, a GTX 1070 Ti deve ser adequada para jogos com realidade virtual, resolução 4K, displays compatíveis com HDR e muitos outros recursos visuais que vão entregar um novo mundo aos gamers.

GP104 na GeForce GTX 1070 Ti

Na versão padrão da GTX 1070 Ti, a NVIDIA fez uma atualização no chip gráfico GP104 (que é o mesmo da GTX 1070 e GTX 1080). Ele apresenta uma configuração diferenciada dos clusters de processamento gráficos (GPC), dos multiprocessadores streaming (SM) e também dos controladores de memória.

Nesta arquitetura, cada SM é emparelhado com uma engine Polymorph, a qual é responsável por cuidar dos vertex, do tessellation, da transformação de porta de visualização e das correções de perspectiva. A combinação de um SM com uma engine Polymorph é costumeiramente chamada de TPC.

A GPU GP104 da GTX 1070Ti é composta por 4 GPCs, 19 multiprocessadores streaming Pascal e 8 controladores de memória. Cada cluster de processamento gráfico apresenta uma engine de rasterização dedicada e cinco multiprocessadores streaming.

A arquitetura se desenvolve através da distribuição dos CUDA cores nos multiprocessadores streaming. Cada SM apresenta 128 núcleos CUDA, 256 KB de capacidade de arquivo de registro, unidade de memória compartilhada de 96 KB, 48 KB de memória cache L1 e 8 unidades de textura.

Traseira ROG GTX 1070 Ti STRIX

O multiprocessador streaming é uma unidade que trabalha com paralelismo e usa um sistema que entrega as tarefas (em grupos de 32 threads) para os CUDA cores e outras unidades de execução. Considerando que a GTX 1070 Ti apresenta 19 multiprocessadores e cada um conta com 128 CUDA cores, temos o total de 2.432 CUDA cores neste chip gráfico.

Outra informação pertinente quanto à arquitetura Pascal diz respeito ao sistema de memória. A GTX 1070 Ti apresenta oito controladores de memória de 32 bits, alcançando um total de 256 bits. Atrelados a cada controlador, temos oito unidades ROPs e 256 KB de memória cache L2. Somando tudo, fechamos a conta com 64 ROPs e 2.048 KB de cache L2.

As tecnologias que você já conhece

Outra coisa que ajuda a aumentar o desempenho da GTX 1070 Ti é a tecnologia de memória GDDR5. Apesar de não ser tão veloz quanto o GDDR5X, presente na GTX 1080, a tecnologia da GTX 1070 Ti recebeu uma série de melhorias internas para entregar ainda mais performance, sem precisar alterar completamente o projeto de funcionamento.

Com interface de 256 bits e capacidade de transferência de até 8 gigabits por segundo, os módulos instalados na GeForce GTX 1070 Ti podem alcançar desempenho muito superior ao que era possível nas placas anteriores da marca. A largura de banda alcança taxas de transferência de até 256 GB/s, o que é bastante impressionante.

Além da rapidez dos módulos, segundo os detalhes do documento oficial da NVIDIA, o subsistema de memória da GeForce GTX 1070 Ti usa técnicas de compressão de memória sem perda de qualidade para reduzir as demandas de largura de banda da memória RAM.

Com esse tipo de funcionalidade, a placa de vídeo consegue reduzir a quantidade de dados escritos na memória, diminuir as informações transferidas para a memória cache L2 e também moderar o montante nas transferências entre as unidades de textura e o buffer.

Memória das placas Pascal

Tal qual a GTX 1080, a nova GTX 1070 Ti tem algoritmos que determinam de forma inteligente como os dados devem ser comprimidos. Um desses recursos é o delta color, que calcula as diferenças entre os pixels em um bloco e armazena somente referências, podendo reduzir os dados até pela metade.

O resultado do uso dessa tecnologia na arquitetura Pascal é uma redução na quantidade de bytes que devem ser buscados na memória em cada frame. O ganho com essa funcionalidade é perceptível na largura de banda da memória, gerando uma redução de 20% na busca por informações.

A tecnologia GPU Boost já é utilizada nas placas da NVIDIA há muito tempo, sendo a principal responsável por garantir desempenho extra em situações específicas. Com base nos parâmetros de hardware, o chip gráfico pode efetuar ajustes no clock da GPU até que ele atinja uma determinada temperatura-alvo.

Essa funcionalidade garante ganhos de performance adicionais quando a GPU percebe que é necessário mais poder de processamento e verifica que há espaço para efetuar tal mudança em sua frequência. Até agora, o GPU Boost funcionava com base uma reta predeterminada, a qual trabalhava de forma travada com base nos valores da tensão.

NVIDIA GPU Boost 3.0

Com a terceira versão da tecnologia, a NVIDIA consegue extrair ainda mais performance do chip gráfico, pois agora o componente pode trabalhar com ajustes de tensão mais flexíveis, os quais regulam a frequência constantemente e garantem sempre o máximo desempenho.

Testes de desempenho

Para conferir o desempenho da placa de vídeo em situações práticas, nós realizamos uma série de testes que você possivelmente faria em seu computador. As configurações de vídeo foram definidas para o nível mais elevado e, geralmente, incluindo filtros em nível máximo (algo que varia de acordo com cada jogo). Os testes são divididos em duas etapas: jogos e benchmarks sintéticos.

Máquina de testes

Sistema: Windows 10 Pro
CPU: Intel Core i7-6700K
Placa-mãe: GIGABYTE AORUS Z270X-Gaming 7
Memória: 16 GB RAM Corsair DDR4 2133 MHz
SSD 1: Intel 540 Series
SSD 2: WD Blue 1 TB
Fonte: Corsair RM650

Jogos

Deus Ex: Mankind Divided - Full HD

Deus Ex - EVGA GTX 1070Ti SC

Deus Ex: Mankind Divided - 4K

Deus Ex 4K - EVGA GTX 1070Ti

Ghost Recon Wildlands - Full HD

Wildlands - EVGA GTX 1070 Ti

Ghost Recon Wildlands - 4K

Wildlands 4K - EVGA 1070 Ti

Benchmarks

Os testes práticos (com jogos) mostraram que a ASUS GeForce GTX 1070 Ti é adequada para rodar absolutamente qualquer jogo da atualidade seja em Full HD ou em 4K (ainda que alguns ajustes de qualidade possam ser eficientes para melhorar a performance nesta resolução).

Nos casos mais abusados, ela ainda alcança média próxima dos 60 frames por segundo, sendo suficiente para qualquer situação em Full HD. Todavia, para comprovar o real poder da placa, nós rodamos benchmarks sintéticos.

3DMark

3DMark na EVGA GTX 1070 Ti SC

Vale a pena?

No fim das contas, a ASUS GeForce GTX 1070 Ti STRIX é uma placa muito poderosa e pronta para qualquer parada. O design já conhecido da marca funciona perfeitamente para esta placa, uma vez que ela é muito bonita e ainda se mostra adequada para entregar ótima refrigeração. Em performance, ela empata com as concorrentes em quase tudo, já que todas são idênticas em questão de especificações.

Quando falamos em overclocking, a história muda um tanto. A placa da ASUS teve clocks levemente menores em nossos testes, então ela pode ser um pouco mais limitada nesse ponto. Todavia, é importante enfatizar que tal aspecto depende muito da unidade em questão, então pode ser que outra placa idêntica da ASUS tenha resultados melhores.

Todavia, pensando em refrigeração, o projeto da ASUS pode ser considerado o melhor. O dissipador gigantesco ajuda muito nesse sentido, sendo que as ventoinhas demoram para ligar e as temperaturas são bem baixas. Mesmo em gabinetes com ventilação precária ou condições de extremo overclocking, esta ASUS vai aguentar o trabalho.

Saídas de vídeo ASUS 1070 Ti

Então, se você busca uma placa pronta para jogatina em Full HD (e eu estou falando em rodar todos os jogos na qualidade máxima) a ASUS GTX 1070 Ti STRIX é uma ótima opção. Além disso, para quem já quer dar um passo confortável na resolução 4K e experimentar bons jogos com Realidade Virtual — ainda que seja preciso efetuar ajustes na qualidade — também encontra aqui uma boa candidata.

E, conforme já comentamos nos demais reviews das placas da EVGA e da GALAX, a escolha de uma GeForce GTX 1070 Ti depende quase que exclusivamente da sua preferência por visual, já que os resultados são bem parecidos. Nesse caso, a placa da ASUS leva vantagem, já que o sistema RGB é mais completo.

Sobre preços, vale notar que a placa da ASUS está na mesma faixa das concorrentes, com valores que variam de 2.200 a 2.500 reais, algo que depende da loja (consultamos os principais sites) e da condição de pagamento. Gostamos muito desta GTX 1070 Ti STRIX, que certamente leva nossa recomendação. Fica aqui também nosso parabéns à fabricante pelo projeto de qualidade!