* Renan Roesler Hamann colaborou na elaboração deste artigo.

Realizada nos dias 22, 23 e 24 de Setembro, em São Francisco, nos Estados Unidos, a Intel Developers Forum (IDF) 2009 mostrou aos desenvolvedores, imprensa e usuários-finais, o que há de mais novo e o que está sendo desenvolvido pela empresa para o mundo da informática para os próximos anos.

No evento, funcionários da alta classe da Intel, demonstraram as tecnologias que serão empregadas nos mais novos (e cada vez menores) processadores, os mais avançados recursos para chipsets gráficos, novos métodos de transmissão de dados, além de divulgar os avanços no desenvolvimento de componentes para notebooks e netbooks.

Confira agora o que aconteceu de mais quente no IDF 2009:

Notebook de quatro telas

Intel lança conceito de Notebook de 4 telasÀ primeira vista pode parecer estranho, principalmente sem olhar
nenhuma imagem, mas acredite, a Intel exibiu na IDF um notebook com quatro telas! Como é possível algo que, em geral, prioriza a portabilidade usar quatro telas? Simples, basta colocar três delas (de tamanhos bem pequenos) logo acima do teclado. Qual a utilidade? Você poderá organizar suas músicas, postar mensagens no Twitter e usar o Bloco de notas sem precisar ficar trocando / minimizando janelas.

O nome dado a este notebook é Tangent Bay. Suas telas secundárias são feitas de OLED e possuem sensibilidade ao toque, já a tela principal é feita de LCD. Mas não se anime muito por enquanto, pois a Intel somente apresentou este brinquedo para descobrir se alguma empresa iria se interessar em produzi-lo.
Transmissão ótica com Light Peak
Durante a IDF 2009, a Intel anunciou que está trabalhando em uma nova tecnologia de transmissão de dados, a Light Peak (em Português, pico de luz). Com ela, será possível transmitir dados com altas velocidades e sem perdas, através de cabos de fibra ótica de até pouco mais de 100 metros de comprimento.

Utilizando esses cabos de fibra ótica (em detrimento dos atuais fios de cobre) essa nova tecnologia permitirá que dados sejam emitidos e recebidos em velocidades altíssimas de até 10 GB/s (podendo chegar a 100 GB/s na próxima década), superando em muito as atuais tecnologias que atingem 60 MB/s com os cabos USB 2.0 e 400 MB/s com os cabos FireWire.

A Light Peak é constituída por um chip controlador e um modulador ótico. O modulador é responsável por converter eletricidade em luz e luz em eletricidade, utilizando lasers e detectores de luz. A alta velocidade e aproveitamento da transmissão é resultado dessa conversão dos dados em luz, devido às velocidades alcançadas por feixes de luz em ambientes de perda mínima, como as fibras óticas.

Durante a IDF, o vice-presidente da Intel, David (Dadi) Perlmutter, fez uma demonstração do funcionamento da transmissão por fibra ótica. Ele afirma que esse novo modelo de troca de dados poderá ser inserido em câmeras, televisores e monitores HD, iPods, discos SSDs, players de áudio e vídeo ou notebooks. Nas palavras de Dadi, “será possível transferir um Blu-Ray completo em apenas 30 segundos”.  

Espera-se que até 2010 a Intel comece a fornecer os chips controladores para que empresas de informática e eletroeletrônicos desenvolvam dispositivos e componentes compatíveis com a nova tecnologia. Espera-se com isso, que em um futuro próximo, a Light Peak torne-se viável às economias mundiais e passe a integrar o cotidiano dos computadores domésticos.
Moblin 2.1

Criado originalmente para ser usado em computadores portáteis (netbooks), o Moblin em sua versão 2.1 abrangerá também aparelhos móveis (smartphones) e desktops de tamanhos menores do que o padrão, os chamados Nettops. A novidade dessa versão está em sua nova interface para usuário (capaz de funcionar corretamente em telas maiores do que as de netbooks), controle de telas sensíveis ao toque e melhor suporte a drivers.

O desenvolvimento do SO está sendo coordenado pela Linux Foundation com o apoio da Intel (haja vista o Moblin ser baseado no Linux), sendo esta uma tentativa de popularizar o Linux em aparelhos que usam os processadores Intel Atom, tanto o é que a Intel aproveitou-se disso para divulgar o Atom Developer Program (confira mais sobre ele adiante). Além disso, vale citar que o Moblin 2.1 virá instalado em alguns netbooks a partir da segunda metade de 2010, prometendo, portanto, bater de frente com a Microsoft, pois muitos netbooks virão com o Windows 7 instalado.

Loja online de aplicativos para netbooks

Através do Atom Developer Program, a Intel pretende incentivar desenvolvedores a criar softwares compatíveis com netbooks, de modo a fazer com que tal mercado cresça ainda mais. Vai funcionar assim: o desenvolvedor baixará o SDK (“Software Development Kit”), um kit que conterá tudo aquilo necessário para criar os aplicativos, e poderá enviar seus programas para a loja online.

O preço será definido pelos próprios desenvolvedores e eles poderão lucrar de três formas: ganhar 70% de cada cópia vendida do aplicativo, usar parte do lucro para fazer investir em propaganda, ou ainda, caso eles criem componentes utilizáveis em outros softwares, lucrar por cada cópia vendida dos programas que utilizem seus componentes.

No início, somente os sistemas operacionais Windows e Moblin serão suportados, porém há a previsão de que os aplicativos também suportarão Java e Adobe AIR. Além disso, tais aplicativos terão como característica um menor consumo de memória, o uso de redes sem fio de modo mais eficiente, assim como possuírem melhor capacidade de processamento e maximizar a praticidade de certas características inerentes aos netbooks.

A terceira geração do Classmate PC

O netbook da Intel com fins educacionais ganhou algumas melhorias em sua terceira versão: a tela LCD agora possui 10 polegadas (resolução de 1.024x600 pixels), o touchpad deixou de ser redondo e ganhou mais área útil, seu disco rígido é de 160 GB e agora ele possui suporte para internet 3G. Enquanto fechado, ele continua a exibir uma alça de transporte, porém agora feita de plástico, e uma capa de couro sintético para ajudar a protegê-lo.

E tem mais, sua memória RAM dobrou (1 GB), seu processador é um N270 (será substituído pelo Atom N450 após seu lançamento comercial), a rede e conector de força agora possuem LEDs para indicar que estão conectados e os sistemas operacionais suportados serão, provavelmente, o Windows XP e o Moblin.

Atom CE4100

O novo “System-on-chip” (SoC), antes conhecido como “Sodaville”, é o primeiro SoC de 45nm para eletrônicos de consumo (CE). Ele possui arquitetura Intel e oferece suporte para aplicativos e para internet, com isso, sua principal função será a de levar o conteúdo e os serviços da internet para TVs digitais, DVD players e decodificadores avançados. Mas não para por aí.

O Atom CE4100 também possui um grande poder de processamento e componentes de áudio e vídeo para rodar aplicativos de mídia de alta qualidade, como é o caso dos gráficos 3D de jogos. Além disso, outras empresas estão trabalhando junto à Intel para melhorar conteúdo, serviços e infraestrutura para dispositivos CE conectados, duas delas são a Adobe Systems e a TransGaming.

 

Demonstração do processador Atom, durante o evento da Intel

Em ambos os casos acima, os esforços empenhados estão destinados a melhorar o modo como o usuário interage com a televisão. No caso da Adobe, o projeto é integrar o Adobe Flash Player 10 aos processadores de mídia CE da Intel, permitindo que jogos, animações e conteúdos da internet feitos em flash recebam uma melhoria em seus gráficos e na execução de vídeos H.264.

Por sua vez, a TransGaming anunciou o serviço GameTree.tv, o qual pretende migrar jogos de PC para eletrônicos de consumo, além disso, sua biblioteca de jogos contará com vários gêneros e ainda disponibilizará um kit para facilitar que desenvolvedores façam seus jogos também compatíveis com CEs.

Talvez você tenha se perguntado em como, futuramente, vídeos e aplicativos em 3D poderão ser rodados em tempo real em televisões, uma vez que a transmissão deles requer muita banda. A possível resposta para isso foi dada durante a IDF e envolve o uso da Light Peak, pois com ela será possível substituir as atuais “dezenas” de cabos de áudio/vídeo por um único cabo de Light Peak, o qual além de oferecer a internet ao televisor, também fará o serviços de cabos como os de HDMI.

Gráficos cada vez mais reais, a Intel apresenta o Chipset Larabee

Um novo avanço na tecnologia de desempenho gráfico no mundo dos computadores foi anunciado na IDF 2009, trata-se do chipset Intel Larabee para placas gráficas. O chipset multicore x86 (com vários núcleos de processamento) está animando os executivos da Intel, que esperam aumentar em muito a qualidade de processamento gráfico dos usuários.

Com o Larabee, a Intel planeja impulsionar o mercado de chipsets gráficos, fazendo o mesmo com o mercado de jogos. Com isso percebe-se a tentativa da empresa de recuperar o público gamer, conquistado pela AMD com os processadores Phenom X4, adorado pelos amantes de jogos.