Em 1965, ao formular a chamada “Lei de Moore”, um funcionário da Intel previu que os transistores em um chip dobrariam a cada 18 meses, aumentando assim o poder de processamento. Agora, em 2011, um estudo conseguiu provar que Gordon Moore estava no mínimo muito próximo da realidade.

Conduzida por Jonathan Koomey, professor de engenharia na Universidade de Stanford, a pesquisa afirma que não o poder, mas a eficiência dos processadores dobra nos mesmos 18 meses previstos por Moore. As informações foram obtidas em parceria com a Microsoft e a Intel, a partir de dados coletados antes mesmo da formulação da lei original.

Segundo o TechnologyReview, a nova máxima da informática aposta que o consumo de bateria vai diminuir com o tempo, mas a eficiência no desempenho das máquinas deve continuar crescendo. Desse modo, a lei de Moore seria ampliada, pois se pensava apenas em poder de processamento na década de 1960, enquanto a durabilidade da bateria, por exemplo, era totalmente ignorada.

Para Koomey, o que comprova sua teoria são os aparelhos móveis, como notebooks, tablets e smartphones: apesar do menor tamanho e consumo de energia, eles continuam recebendo melhorias em desempenho. Além disso, segundo o pesquisador, essas atualizações não teriam limite, dependendo apenas da inteligência humana.

Cupons de desconto TecMundo: