Mais rápidos: IBM estuda produzir chips feitos com nanotubos de carbono

1 min de leitura
Imagem de: Mais rápidos: IBM estuda produzir chips feitos com nanotubos de carbono
Avatar do autor

Muitos dos processadores encontrados no mercado atualmente são feitos de silício. Porém, estudos feitos por pesquisadores da IBM revelaram que, futuramente, teremos a chance de encontrar chips de nanotubos de carbono, que prometem ser bem mais rápidos se comparados aos modelos atuais.

Segundo informações divulgadas, é possível que tais processadores se mostrem de seis a dez vezes mais rápidos que os modelos feitos de silício, além de exigir menos energia elétrica para funcionar. Outro detalhe importante é que tal experiência pode levar a descoberta de novos tipos de tecnologia, como computadores que podem ser dobrados, microchips injetáveis e até mesmo máquinas que seriam capazes de descobrir células cancerígenas em um corpo.

Ideia de uma ligação de nanotubo de carbono criada pelos pesquisadores da IBM

E por que isso ainda não saiu do papel?

Por muito tempo, os pesquisadores acabaram se deparando com um problema bastante peculiar: o tamanho dessas estruturas. Como materiais do gênero são realmente pequenos, trabalhar com eles se torna uma tarefa um tanto quanto complicada e algo que acabou se comprovando extremamente difícil.

George Tulevsky, um dos cientistas responsáveis pela pesquisa, mencionou que a ideia utilizada pela equipe foi a de construir uma estátua com uma pilha de blocos, criando conexões específicas usando química para ligar cada um deles manualmente – em um processo que lembra a criação de um cristal.

Estamos tentando resolver esse problema pegando [uma ideia] da natureza

“Estamos tentando resolver esse problema pegando [uma ideia] da natureza, porque ela constrói tudo dessa forma. Acreditamos que essa seja uma das partes que ficaram esquecidas”, comentou Tulevsky.

Antes de se animar, é bom saber que o time da IBM ainda está longe de fazer desse projeto algo que vai estar disponível para o público em um futuro próximo. Sendo assim, resta-nos torcer para que eles encontrem uma forma de fazer com que tal tecnologia se torne comercialmente viável e, sobretudo, algo que justifique a sua produção em larga escala.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Mais rápidos: IBM estuda produzir chips feitos com nanotubos de carbono