A imagem registrada por astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS) no início de 2014 chocou o mundo: na foto, a Coreia do Norte “some” do mapa; até mesmo locais com alto grau de urbanização sofrem com o racionamento de energia elétrica imposto pelo governo de Kim Jong-un. Mas, afinal, por que tudo fica no escuro?

Conforme reporta o The Wall Street Journal (via The Verge), a resposta norte-coreana ao flagra não apenas justifica o corte de luz feito pelas noites do país oriental; até mesmo uma suposta crítica aos EUA é feita pelo jornal Rodong Sinmun, de Pionguiangue (capital da Coreia do Norte).

“Elas [potências que criticam a Coreia do Norte] batem palmas e fazem estardalhaços em função de uma foto de satélite de nossa cidade 'no escuro', mas a essência de uma sociedade não está em suas luzes chamativas... Uma velha superpotência que está conhecendo seu pôr do sol pode estampar uma cara de arrogância, mas ela não pode evitar seu obscuro destino”, diz a publicação.

O texto não cita o nome dos EUA, é verdade. Contudo, e ainda segundo observado pelo The Wall Street Journal, a provocação feita pelo Rodong Sinmun pode estar relacionada a assuntos como a “Occupy Wall Street” e também às agitações de Ferguson.

A contundente publicação toca questões delicadas: ao passo em que a “essência de uma sociedade não pode ser julgada a partir de suas luzes”, questões como políticas de trabalho escravo, população em situação de miséria e pesquisas nucleares chefiadas pela Coreia do Norte vêm também à tona.

O texto veiculado pelo jornal norte-coreano ganhou popularidade nesta segunda-feira (09). Acompanhe nossas atualizações e fique por dentro de eventuais novidades acerca do asssunto (é bastante provável que a "réplica" seja feita pelos EUA dentro dos próximos dias). Vale lembrar ainda toda a novela criada sobre o lançamento do filme "A Entrevista", peça que critica de forma bem humorada a Coreia de Kim Jong-un (clique aqui).

Cupons de desconto TecMundo: