Imagem de: Maioria dos adultos compartilha conteúdos íntimos por aparelhos mobile

Maioria dos adultos compartilha conteúdos íntimos por aparelhos mobile

1 min de leitura
Avatar do autor

(Fonte da imagem: Shutterstock)

A pesquisa “Amor, Relacionamentos e Tecnologia” realizada pela McAfee mostra que as plataformas mobile são as favoritas do público adulto quando o assunto é compartilhar conteúdos íntimos. Para chegar a essa conclusão, a empresa analisou as respostas de 500 consumidores que armazenam alguma espécie de material do tipo — sejam eles relacionados a parceiros atuais ou anteriores.

Entre os conteúdos destacados na amostra colhida pela companhia estão textos sugestivos, fotos em que pessoas nuas aparecem, vídeos sugestivos e senhas. O intuito foi identificar a presença de elementos que podem incentivar a prática do “cyberstalking”, que consiste no uso de ferramentas tecnológicas com o objetivo de perseguir ou assediar uma pessoa, algo que pode resultar na exposição e no vazamento de conteúdos privados.

Segundo a McAfee, 98% dos entrevistados usam smartphones para tirar fotos, enquanto 86% fazem a mesma atividade com tablets. Desses, 62% usam os aparelhos para receber materiais considerados íntimos na forma de vídeos, fotografias, emails e mensagens de texto.

Medidas de segurança

A pesquisa revela que 82% das pessoas consultadas protegem seus aparelhos com padrões de acesso ou com senhas — desses, 43% compartilham tais informações com parceiros e 49% costumam usar a mesma solução de proteção em múltiplos dispositivos. “Com todas as histórias que ouvimos sobre fotos íntimas sendo vazadas, é difícil acreditar que as pessoas ainda estão compartilhando suas senhas”, afirma Gary Davis, vice-presidente de negócios de consumo da McAfee.

“Ultimamente, eles estão aumentando os riscos de essas fotos se tornarem públicas e, possivelmente, comprometerem sua identidade e reputação”, complementa Davis. “Os consumidores devem tomar precauções e usar a segurança móvel para garantir que dados pessoais se mantenham privados”, aconselha o executivo.

A empresa aconselha que consumidores não partilhem senhas com nenhuma pessoa e que evitem usar combinações consideradas fracas, como datas de aniversário, números sequenciais ou dígitos repetidos. A companhia afirma que a melhor opção nesse sentido é usar combinações de seis números diferentes ou palavras transformadas em dígitos com auxílio do teclado do celular ou tablet.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Maioria dos adultos compartilha conteúdos íntimos por aparelhos mobile