Todos sabem que, até agora, as lâmpadas fluorescentes são mais econômicas e até mais ecológicas do que as anteriores incandescentes. Entretanto, até esse tipo de tecnologia já está sendo passado para trás. Ao contrário das tecnologias existentes hoje, essas lâmpadas de nanofibras têm algo de diferente: não usam mercúrio na sua composição – o que a torna muito mais “verde” do que qualquer outra comercializada.

A nova tecnologia em desenvolvimento pelos cientistas dos Laboratórios RTI já tem avanços muito significativos no que se refere ao uso de nanofibras para emitir luz. Essas fibras são tão pequenas que se quebrarmos a palavra para descobrir seu significado, ficaremos avisados de que estes cientistas estão trabalhando com fibras que têm um bilhonésimo de um metro. São partes muito pequenas que podem ser manipuladas no momento da fabricação.

As lâmpadas do futuro serão mais econômicas!

Dessa maneira, as fábricas podem trabalhar para produzir lâmpadas que consigam conciliar a difícil tarefa de coordenar a intensidade de luz e o consumo de energia. Portanto, o consumidor terá mais opções nas prateleiras. Isso porque além de trabalhar nessa tecnologia, os pesquisadores descobriram duas vertentes. Os refletores de nanofibras e as nanofibras fotoluminescentes são desdobramentos dessa novidade.

Como se trata de um tipo de luz que é emitida a partir das nanofibras, ou seja, elementos sólidos apesar de minúsculos, essas lâmpadas foram inseridas na categoria “lâmpadas de estado sólido” assim como os LEDs e OLEDs. Dessa maneira é possível criar misturas de materiais que permitem um bom aproveitamento de cada watt consumido. A média da lâmpada de nanofibras fica em torno dos 55 lumens por watt de energia.

Isso já faz com que essa tecnologia seja cinco vezes mais eficiente que as atuais lâmpadas incandescentes que já conhecemos há algum tempo. Portanto, não é difícil ver que as próximas lâmpadas serão muito mais eficientes e ecológicas, de maneira a tornar suas antepassadas completamente obsoletas. Além disso, o tipo de luz emitida a partir das nanofibras é bastante agradável.

Boas mudanças
As nanofibras já são parte do nosso futuro!Até agora você nunca viu uma pessoa testando renderizações de luzes quando vai ao supermercado comprar novos focos. Esse cenário está prestes a mudar. O prazo para a chegada dessa nova tecnologia às prateleiras fica em torno dos três aos cinco anos. Então, não será complicado imaginar alguém procurando luzes “branco quente”, “branco neutro” ou “branco suave”.

Já se sabe que as lâmpadas que estão por vir terão um impacto muito significativo no consumo de energia no mundo inteiro. Isso é bastante sensível justamente porque cerca de um quarto de todo o consumo mundial de energia elétrica é dedicado apenas às lâmpadas acesas. Então não é difícil imaginar a redução que essas nanofibras vão causar no cenário atual de consumo de eletricidade.

Explorando as faces da luz
Além de diminuir o consumo e contribuir para a preservação da natureza, as nanofibras permitirão algo que até hoje é um pouco complicado e demanda muito empenho de designers dos mais variados mercados. Imagine um designer de interiores que pode modelar a luz na intensidade certa para um determinado ambiente, ou então um designer de produtos que precise direcionar seu mais novo projeto com uma quantidade X de luz. É uma novidade que permite muitas nuances e usos.

Cupons de desconto TecMundo: