Não é exagero dizer que a Motorola se transformou em uma nova empresa após o Moto G, smartphone intermediário lançado no fim do ano passado no território brasileiro. Com um custo-benefício inigualável, o aparelho conquistou sobretudo os mercados emergentes combinando um hardware razoável, um design atraente e uma carcaça bastante resistente – e que podia ser customizada através da troca de capinhas multicoloridas.

Satisfeita com a aceitação do modelo (que se tornou o gadget mais vendido em sua própria história), a Motorola parece disposta a ir além e aprimorar ainda mais esse dispositivo tão amado. Após meses de rumores, boatos e vazamentos desconexos, a companhia finalmente apresentou sua nova geração de telefones celulares, através de um evento de imprensa organizado discretamente na manhã de quinta-feira (4).

Assim como previsto, um dos aparelhos apresentados foi o Moto G2 – que, na verdade, foi batizado pela empresa simplesmente como “Novo Moto G”, sem qualquer indicação numérica de sua geração. Ao lado do “Novo Moto X”, do Moto 360 e do Moto Hint (um fone de ouvido Bluetooth que chama a atenção por conta de seu design “fashion”), o dispositivo constitui uma renovação completa no portfólio da Motorola e já está disponível a partir desta sexta-feira (5) pelo preço sugerido de R$ 699 para a versão mais básica.

Especificações técnicas do Novo Moto G

  • Processador Snapdragon 400 quad-core de 1,2 GHz
  • GPU Adreno 305
  • Display Gorilla Glass de 5 polegadas com resolução HD (1280x720 pixels)
  • 1 GB de memória RAM
  • 8 GB ou 16 GB de armazenamento interno (expansível com cartões SD de até 32 GB)
  • Câmera traseira de 8 MP e frontal de 2 MP
  • Sistema operacional Android 4.4.4 KitKat
  • Extras: dual SIM com Chamada Inteligente, capas intercambiáveis e TV digital (versão especial)

O design continua sendo o ponto forte

Através das especificações informadas acima, você já deve ter reparado que o Novo Moto G não apresenta novidades avassaladoras se comparado com o modelo original. No que tange ao design do produto, o aparelho recém-anunciado está um pouco mais fino e lembra um pouco o Moto E, especialmente por causa dos speakers (apresentados como duas barrinhas metálicas) localizadas na parte frontal do dispositivo. Como esperávamos, o acabamento do gadget é simplesmente impecável, e sua construção passa uma forte sensação de robustez e durabilidade.

Seguindo a tendência, o Novo Moto G possui uma traseira removível, possibilitando que o usuário troque a cor da capinha (conhecida como Shell) de acordo com sua preferência. A versão mais básica do aparelho virá apenas com uma case preta, mas um kit contendo uma capa alternativa (na cor turquesa) também será comercializado por R$ 30 a mais.

A Motorola afirma que planeja vender mais Shells em um futuro breve, abrindo um leque maior de tonalidades disponíveis para o usuário final. Vale lembrar que a companhia disponibiliza sete opções para o modelo antigo do Moto G: preto, branco, azul-claro, azul-escuro, amarelo, rosa e vermelho.

Um upgrade merecido, mas aquém do esperado

O hardware do Novo Moto G também não impressiona. Não que ele seja fraco, mas podemos dizer que é o suficiente para você ter uma experiência fluida com o Android e nada mais. Falando nisso, a Motorola é uma das poucas fabricantes de smartphones que percebeu o quanto seus consumidores gostam de ter um sistema operacional “puro”, sem enfeites na interface ou milhares de apps embarcados.

O novo gadget é equipado com o 4.4.4 KitKat original, com atualização garantida para o L, sem quaisquer alterações e com pouquíssimos aplicativos nativos instalados na memória interna (ele acompanha apenas os já famosos Alerta e Assist).

A única grande mudança que podemos destacar nas especificações técnicas é tela (de 4,5 para 5 polegadas). A câmera também sofreu um upgrade – de 5 MP para 8 MP –, mas continua oferecendo uma qualidade de imagem básica e nada mais. O produto conta com flash LED, mas sua incapacidade de focar em objetos muito próximos ou pequenos o torna pouco recomendado para os “fotógrafos de bolso”.

O Novo Moto G será comercializado em duas edições diferentes: o convencional possui compatibilidade para dois chips SIM, 8 GB de armazenamento interno e preço sugerido de R$ 699 – mesmo preço de lançamento do modelo original. Já a versão DTV Colors, dotada de 16 GB de memória e receptor de TV digital, poderá ser encontrada por R$ 799 (acompanhada de uma capa turquesa).

É interessante observar que, de acordo com executivos da Motorola, o antigo Moto G continuará presente no mercado durante alguns meses e pode ter seu preço reduzido de acordo com as estratégias de venda do próprio varejista. Contudo, é difícil imaginar quem prefira comprar a edição antiga no lugar da nova.

Por sinal, é interessante observar aqui que o Novo Moto G não é compatível com redes 4G, enquanto o antigo possui uma versão que trabalha com esse tipo de rede (lançada aqui junto com o anúncio do Moto E). Por que a Motorola não colocou suporte para tal protocolo em seu novo produto? Esperamos que a empresa não lance uma “segunda edição do Novo Moto G” em um futuro próximo apenas para oferecer esse upgrade, da mesma forma que ela fez com o Moto G original.

Uma decepção?

Como citamos anteriormente, o Novo Moto G começa a ser vendido já a partir de hoje, sendo possível encontrá-lo no varejo especializado e no site oficial da própria Motorola. Ainda não pudemos realizar testes exaustivos com o dispositivo, mas nossas primeiras impressões foram as melhores possíveis.

Contudo, é bom ter em mente que o novo produto não representa um upgrade muito agressivo em relação ao seu modelo original – nos arriscamos até mesmo a dizer que a atualização faz pouco sentido para quem acabou de adquirir um Moto G compatível com a rede 4G. Se ainda assim você estiver interessado em comprar a novidade, continue de olho no TecMundo para conferir em breve o nosso review completo do produto.

Cupons de desconto TecMundo: