Um estudo realizado por Edwin Murphy e Doris Calloway em 1969, publicado no periódico científico NCBI e resgatado pelo site Discovery Magazine, alerta sobre o perigo da flatulência para os astronautas.

De acordo com a dupla de pesquisadores da University of California, nos EUA, as primórdias dietas espaciais eram propícias para a maior concentração de gases intestinais. E qual o problema nisso? A flatulência é uma mistura de gases (nitrogênio, dióxido de carbono, metano, hidrogênio, oxigênio e sulfeto de hidrogênio) produzidos pelas bactérias no intestino grosso ao quebrar os alimentos em aminoácidos, glicose e ácidos graxos.

A combinação desses gases é inflamável e a sua contenção em locais fechados pode causar combustões. A pesquisa utilizou dados coletados durante o Projeto Gemini, a segunda missão espacial realizada pela NASA. Acredita-se que depois desse estudo, a Agência Espacial dos EUA tenha mudado o cardápio dos astronautas.