(Fonte da imagem: NASA)

Alguns cientistas da NASA irão perder as comemorações da virada de ano para monitorar duas espaçonaves enviadas à Lua. De acordo com o site Daily Mail, em setembro, a Agência Espacial dos EUA lançou duas naves, chamadas Grail-A e Grail-B, com a intenção de mapear o interior do nosso satélite natural.

A missão pretende coletar mais dados sobre a Lua. “Na verdade, nós sabemos mais sobre Marte do que sobre a nossa Lua”, comentou Maria Zuber, cientista-chefe do Massachusetts Institute of Technology (MIT). O projeto visa também averiguar a veracidade de uma hipótese levantada recentemente de que a Lua como a conhecemos hoje teria sido formada após a colisão de dois outros satélites naturais.

Após quase três meses de viagem e mais de três milhões de quilômetros percorridos, as espaçonaves devem se aproximar do seu ponto de chegada próximo à virada do ano, exigindo o máximo de atenção dos pesquisadores. A missão, batizada de “Viagem ao centro da Lua”, teve um custo de US$ 496 milhões (R$ 925 milhões).

(Fonte da imagem: AP/Daily Mail)

A dupla de aeronaves irá rondar o satélite em uma formação triangular (vide imagem no topo): elas ficarão a 54 quilômetros de altura em relação à superfície lunar e a 200 quilômetros de distância entre si, constituindo uma espécie de triangulação. Ao sondarem a Lua, as naves sofrerão com as mudanças no campo gravitacional lunar, levando-as a acelerar ou desacelerar.  

Essas diferenças de velocidade irão alterar a distância estabelecida entre elas – lacunas que serão medidas por meio de ondas de rádio. Assim, os cientistas serão capazes de mapear o campo gravitacional adjacente e com os dados coletados, deduzir a estrutura daquilo que está abaixo da superfície lunar, como crateras e montanhas.

Segundo o informativo, essa empreitada mapeará o interior da Lua com uma precisão de 100 a 1000 vezes maior do que qualquer outra missão já enviada. As espaçonaves devem permanecer mais dois meses sondando a Lua.