Relógio com tecnologia da NASA brilha no escuro sem depender de baterias

1 min de leitura
Imagem de: Relógio com tecnologia da NASA brilha no escuro sem depender de baterias
Avatar do autor

Antigamente, os relógios com luz interna, que permitem a visualização das horas em ambientes escuros, eram o frescor da novidade, a revolução da tecnologia. Aí eles ganharam recursos à prova d’água. O que ainda é possível fazer para inovar? Talvez pensando nisso (ou não), a NASA criou um material que burla quaisquer problemas para quem estiver usando um relógio com pouca bateria na escuridão: a agência americana desenvolveu um modelo que descarta a necessidade das baterias para que se faça a luz.

O relógio Blacklamp Carbon, da Schofield, apesar de seguir a estética tradicional com ponteiros, consegue ficar visível no escuro graças a um material denominado “Moonglow”, desenvolvido pela NASA, o qual brilha muito mais do que aqueles adesivos antigos em formatos de estrelas que você usou para decorar o teto de seu quarto quando criança.

O relógio conta também com uma pequena luz gerada por gás Tritium, isótopo radioativo de hidrogênio que promove um brilho enfraquecido à medida que acaba. Mas o grande chamariz do Blacklamp Carbon jaz na tecnologia Moonglow, que percorre toda a borda do mostrador circular das horas numa estética de dar inveja, como você pode conferir nas imagens desta notícia.

Outro material novinho em folha que o relógio da NASA utiliza é o luxuoso “Morta”, baseado em fibra de carbono. O revestimento desse material entrega um produto resistente e leve. Mas a tecnologia cobra seu preço: o Blacklamp Carbon tem uma tiragem limitada a apenas 101 peças – sim, somente essa quantidade é fabricada e comercializada em escala mundial –, e cada um sai por US$ 16 mil. Ou, na conversão para a nossa moeda na cotação atual do dólar, quase R$ 40 mil.

Duro na queda e no bolso – mas pelo menos você pode falar aos seus amigos que tem um relógio da NASA.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Relógio com tecnologia da NASA brilha no escuro sem depender de baterias