Ampliar (Fonte da imagem: Reprodução/Berkeley Lab)

Um grupo de pesquisadores do Berkeley Lab e da University of California de Berkeley está tentando reproduzir a sensibilidade dos bigodes dos gatos através da nanotecnologia. A ideia é fazer com que os robôs e aparelhos eletrônicos do futuro tenham mais e melhores recursos sensoriais.

Para isso, os cientistas estão usando fibras ultrassensíveis fabricadas com nanotubos de carbono e nanopartículas de prata. Esses filamentos são projetados para responder à pressão, permitindo, por exemplo, que hardwares de navegação possam oferecer direcionamentos mais precisos em ambientes dificultosos e com baixa visibilidade.

Ali Javey, líder do projeto, explica que os “bigodes são como cabelos táteis sensoriais usados por certos mamíferos e insetos para monitorar o vento e se desvencilhar de obstáculos ao seu redor”.

Segundo ele, “em testes realizados, os bigodes eletrônicos foram 10 vezes mais sensíveis à pressão do que qualquer sensor de pressão capacitivo ou resistivo”. Em outras palavras, a novidade apresentou uma sensibilidade muito maior do que as tecnologias que vemos hoje nas telas de smartphones.

“Nossos ‘e-bigodes’ representam um novo tipo de rede de sensores táteis responsivos para o monitoramento em tempo real dos efeitos ambientais. A facilidade de fabricação, a leveza e o excelente desempenho deles devem oferecer uma ampla gama de aplicações na robótica avançada, interfaces de interação homem-máquina e biotecnologias”, complementou Javey.

Cupons de desconto TecMundo: