Sabe quando você está ouvindo sua música favorita e de repente acaba a pilha do MP3 player? Pois saiba que você não é a única pessoa do mundo a amaldiçoar a indústria de baterias e que, sim, este problema atinge a todos os usuários de tecnologia, pelo menos uma vez na vida.

Geralmente as melhores alternativas nesse caso é a compra de novas pilhas ou o recarregamento da bateria. O problema é que nem sempre existe uma banca aberta e recarregar é algo que demanda algum tempo. Agora imagine como seria maravilhoso se você pudesse criar suas baterias dentro de casa.

Pois é algo parecido com isso que um grupo de pesquisadores alemães está anunciando para o mundo. Os cientistas do Fraunhofer Research Institution for Electronic Nano Systems divulgaram os primeiros resultados de suas pesquisas com tecnologia de impressão de baterias. Isso mesmo, os pesquisadores afirmam que é possível imprimir baterias cheias de carga com a utilização de impressoras especiais.

Baterias muito pequenas para cartões

Fonte: Fraunhofer Research Institution for Electronic Nano Systems

Calma, ainda não será possível criar baterias na sua própria casa com uma impressora comum, pois é necessário utilizar uma prensa para isso. O processo parece bastante com o utilizado para serigrafia de camisetas, assim as baterias podem possuir diversos formatos para que se encaixem melhor a variadas necessidades.  

As baterias podem ter entre 1,5V e 6V, possuem menos de 1 mm de espessura e pesam menos de 1 g. Também ainda não é possível fazer com que elas durem muito, devido ao limitado espaço para as reações químicas, mas para cartões comemorativos sonoros ou luminosos ainda não há opções melhores, tanto pelo tamanho, quanto pela praticidade.

Agora conte para o Baixaki o que você acha desta nova tecnologia criada com auxílio das modernas práticas de nanotecnologia. Você acredita que é possível que as pilhas impressas sejam uma nova febre? Ou é mais fácil aprender a falar: “Fraunhofer Research Institution for Electronic Nano Systems”?

Cupons de desconto TecMundo: