Cientistas da Universidade de Stanford criam pele artificial composta por nanotubos

1 min de leitura
Imagem de: Cientistas da Universidade de Stanford criam pele artificial composta por nanotubos
Avatar do autor

Um grupo de cientistas da Universidade de Stanford criou uma pele artificial flexível, que pode ser utilizada tanto para revestimento de robôs quanto para implantes em pessoas. O material consiste em uma espécie de parede composta de nanotubos de carbono. O “tecido” possui um sensor capaz de medir com precisão a intensidade de elasticidade ou compressão necessária para os movimentos.

Para montar o conjunto de pele completo, é necessário espirrar a solução de nanotubos de carbono citada em uma espécie de filme de camada fina, sobre o silicone. Em seguida, o material é esticado para arranjar os nanotubos da maneira apropriada. Quando a tensão é retirada, alguns dos tubos adaptam-se em um formato semelhante ao de uma mola.

O material (Fonte da imagem: YouTube)

Segundo os pesquisadores, ao efetuar tal procedimento para as duas direções (direita e esquerda) é obtido um “tecido”, capaz de ser esticado para qualquer direção sem o risco de um rompimento. Além disso, a estrutura também é capaz de suportar a movimentação de esticar e encolher sem apresentar flacidez.

O filme de nanotubos que reveste o silicone forma uma espécie de sensor, capaz de armazenar carga. Dessa forma, ele consegue registrar inclusive a pressão exercida em sua superfície, independente da intensidade. Segundo o grupo, a nova pele artificial poderia ser implementada tanto em robôs quanto em humanos.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Cientistas da Universidade de Stanford criam pele artificial composta por nanotubos