Após um período de testes fechado, o Spotify chegou oficialmente ao Brasil nesta quarta-feira (28) e já está disponível publicamente para todos os interessados. O serviço de streaming está disponível em uma versão gratuita, com anúncios publicitários entre as faixas, e através de uma assinatura mensal.

Inicialmente, será preciso depender de um cartão de crédito internacional para pagar as mensalidades de US$ 5,99 (mais IOF). No entanto, os administradores do Spotify afirmam já estar trabalhando para conseguir que o serviço funcione com soluções exclusivamente nacionais — a partir desse ponto, o valor cobrado passará a ser de R$ 14,90, sem nenhuma taxa adicional. Em ambos os casos, o primeiro mês do modo Premium é gratuito para que o consumidor possa testá-lo.

Atualmente, o serviço está presente em 58 países (contando com o Brasil) e possui um catálogo formado por mais de 30 milhões de músicas e 1 bilhão de listas de reprodução criadas por usuários. A cada dia, o sistema ganha aproximadamente 20 mil novas músicas, número que deve ser ampliado conforme ritmos de diversas partes do planeta são incluídos.

Quem decidir investir em uma assinatura do sistema de streaming poderá ouvir faixas em PCs, smartphones e tablets, contando com a opção de realizar o download de músicas para acessá-las offline — opção que não existe no plano gratuito. Segundo Gustavo Diament, diretor do Spotify para a América Latina, 400 mil brasileiros assinaram o serviço durante seu período de testes restritos.

Olho no mercado ilegal

Segundo Diament, a chegada do Spotify no Brasil representa um esforço no combate à pirataria. Ele afirma que nomes como o Deezer e o Rdio não são os maiores concorrentes do serviço em solo nacional, mas sim o mercado ilegal de músicas — na Suécia, país de origem do sistema, os downloads não autorizados diminuíram em 30% graças a ele.

O executivo acredita que o streaming deve ganhar força à medida que a infraestrutura da internet brasileira melhore e o preço de smartphones seja reduzido. “Ainda existe muito a fazer para divulgar o streaming de música no Brasil. Não dá para assumir que todo mundo já conhece”, afirmou.

Cupons de desconto TecMundo: