Se você está acessando o Tecmundo por um computador, há grandes chances de você precisar do mouse para selecionar os links que deseja — e foi o que aconteceu para que este artigo pudesse ser acessado. Anos atrás, poderíamos afirmar que 99% dos leitores fariam isso, mas a história já mudou há algum tempo. O mouse está ficando para trás e não há nada que possamos fazer para evitar.

E quando falamos em mouses, também nos referimos aos trackpads utilizados em notebooks, pois a função deles é a mesma — com o diferencial da economia de espaço. Não vamos nos ater ao histórico da criação do periférico (você pode ver detalhes do processo por este link), mas sim ao futuro deles — e também à possibilidade de que ele não exista.

O cenário atual

Smartphones e tablets conseguem cada vez mais espaço no mercado, e as telas touchscreen podem suprir boa parte da necessidade de um mouse — atribuindo muito mais portabilidade aos sistemas. E com a chegada da nova versão do Windows (que é, indiscutivelmente, o sistema operacional mais utilizado do mundo), é possível esperar que o mesmo recurso seja levado aos computadores.

(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Notebooks e desktops já começam a ser lançados com as telas sensíveis ao toque e isso pode ser um dos golpes que estavam faltando para que os mouses fossem deixados de lado — atualmente, eles fazem pouca falta em aplicativos que não sejam games. Além disso, novas tecnologias vêm sendo desenvolvidas e podem contribuir ainda mais para esse processo.

O futuro já chegou

Você já parou para pensar que é possível utilizar computadores e televisores sem tocar nos equipamentos? O Kinect e outros sensores de movimento deixam cada dia mais claro que é possível controlar os eletrônicos por gestos e comandos de voz, ampliando possibilidades que muitos usuários não imaginavam alguns anos atrás — não podemos esquecer que o touchscreen passou pela mesma coisa.

(Fonte da imagem: Divulgação/Microsoft)

E agora, o grande foco de muitas empresas de tecnologia está na possibilidade de montar um sistema de rastreamento dos olhos para o controle de computadores. Em resumo, isso funcionaria de uma maneira muito simples (basta olhar para algum setor do monitor e esperar pela interpretação), mas a verdade é que há um sistema complexo por trás disso.

Como funcionam os sistemas de rastreamento de olhos?

Como acabamos de dizer, apesar de parecer simples, o rastreamento de olhos é realmente complexo. A Fujitsu é uma das pioneiras na tecnologia e já mostrou alguns detalhes dos equipamentos que vem testando. Na imagem postada logo abaixo, você pode ver um pequeno esquema de como é o funcionamento do “rastreamento de olhos” para controle de eletrônicos..

(Fonte da imagem: Reprodução/Fujitsu)

Em vez de utilizar apenas uma câmera comum, são aplicados LEDs infravermelhos ao equipamento, tornando-o capaz de reconhecer somente os olhos dos usuários. E para que o sistema identifique exatamente a direção em que o olhar está sendo “lançado”, o software de controle ordena que a câmera siga a pupila, utilizando a reflexão do LED na córnea para dar muito mais precisão.

Em breve, este tipo de tecnologia deve ser muito mais presente, permitindo que os consumidores encontrem uma nova forma de interagir com seus equipamentos eletrônicos. Pesquisas sobre o assunto não param de surgir, e os avanços realmente podem animar até mesmo os mais conservadores.

O que vem depois?

Nós já passamos por épocas em que os computadores eram controlados exclusivamente por teclados e isso durou até a chegada dos mouses. Hoje, os mouses começam a perder espaço para telas sensíveis ao toque e novas tecnologias (como gestos e voz). Já vimos que os controles pelos olhos podem ser uma realidade em breve, mas será que esse é o limite?

Ainda há bastante o que ser desenvolvido e isso certamente será muito visto nos próximos anos. Será que os sistemas de controle por pensamento serão uma realidade em breve? Faça as suas apostas e espere pelas próximas novidades nesse mundo de tecnologias de controle de computadores.

Cupons de desconto TecMundo: