A União Europeia (UE) decidiu forçar fabricantes de carros elétricos a incluírem um som de alerta para auxiliar que pedestres percebam a aproximação dos veículos. A medida deve começar a valer a partir do dia 1º de julho de 2019 para automóveis novos e de 2021 para todos os que estiverem em circulação.

A partir da data limite da medida, carros elétricos ou híbridos vendidos deverão emitir sons artificiais semelhantes aos de motores convencionais enquanto estiverem andando em velocidades de até 20 km/h – acima disso, o som emitido pelos pneus torna desnecessários os chamados AVAS (sigla em inglês para Sistema de Alerta Audível Veicular, em tradução livre).

Agora é para valer

Até o momento, não havia um consenso por parte das fabricantes sobre a implementação de sons artificiais com esse objetivo. Marcas como Nissan, Jaguar, Renault e Hyundai, entre outras, passaram a adicionar a alguns de seus modelos os AVAS, mas em muitos casos ainda é possível que os motoristas desativem o recurso. Com a regra, isso sairá do controle dos condutores e se tornará obrigatório.

De acordo com a japonesa, o alerta sonoro varia seu tom e frequência dependendo de ações como aceleração, desaceleração ou ré. A regra é particularmente importante para deficientes visuais, já que os elétricos costumam ser bastante silenciosos e, por isso, têm mais chances de atingir transeuntes desatentos ou incapazes de enxergar.