A ideia de criar meios de transportes menos poluentes não é de hoje, mas no último domingo (16) o mundo caminhou um passo à frente. A Alstom, uma das maiores fabricantes ferroviárias da Europa, inaugurou na Alemanha os primeiros trens movidos a hidrogênio do mundo. Para marcar essa nova era, os dois trens Coradia iLint entraram na estação para operar a linha de quase 100 quilômetros entre Cuxhaven e Buxtehude, no oeste de Hamburgo.

Segundo a Alstom, os trens são equipados com células de combustível que convertem hidrogênio e oxigênio em eletricidade, ou seja, sem emissões poluentes relacionadas à propulsão. Além disso, eles possuem baixo ruído e podem chegar a 140 km/h. "Essa é uma revolução para a Alstom e para o futuro da mobilidade. O primeiro trem de célula de hidrogênio do mundo está entrando no serviço de passageiros e está pronto para produção em série", explica o presidente da Alstom, Henri Poupart-Lafarge.

Os trens possuem uma autonomia total de 1 mil quilômetros e são capazes de percorrer a linha durante todo o dia. Eles contarão com uma estação móvel de abastecimento de hidrogênio gasoso, localizada na estação de Bremervörde. Além disso, um posto de abastecimento estacionário deve entrar em operação em 2021, quando a Alstom entregará mais 14 unidades dos trens Coradia iLint para o LNVG, autoridade dos transportes públicos ferroviários da Baixa Saxônia.

O investimento nos outros 14 trens deve custar cerca de 81 milhões, um gasto necessário, segundo o secretário de Estado Parlamentar do Ministério dos Transportes e Infraestrutura Digital, Enak Ferlemann: “Uma estreia mundial na Alemanha. Estamos colocando o primeiro trem de passageiros com tecnologia de célula de combustível na pista. Este é um forte sinal para a mobilidade do futuro. O hidrogênio é uma alternativa real, de baixa emissão e eficiente ao diesel. Portanto, apoiamos e financiamos essa tecnologia para expandi-la”.