Em uma terceira conferência Uber Elevate, realizada desta vez em Tóquio, a Uber anunciou que, no futuro, as entregas realizadas pelo Uber Eats serão feitas por drones e não mais motociclistas ou mesmo motoristas do próprio Uber.

Mas isso não quer dizer que a empresa está criando nesse momento algum serviço com milhares de drones que sobrevoarão cidades ao redor do mundo para levar comida. Em vez disso, a Uber pretende levar esse projeto lado a lado com o Uber Air, aquela iniciativa da empresa de desenvolver “carros” voadores para levar pessoas de um lado a outro sem que elas tenham que sofrer com os atrasos do trânsito.

Isso porque o desenvolvimento do Uber Air ainda está em seus estágios bastante iniciais

A estrutura e a tecnologia do projeto maior seriam usadas para o menor, o que quer dizer que não teríamos nenhuma pizza ou yakisoba chegando na sua janela pelos ares tão cedo. Isso porque o desenvolvimento do Uber Air ainda está em seus estágios bastante iniciais, com empresas de avião de toda parte do mundo competindo para criar drones capazes de transportar humanos pelos ares. Os melhores produtos devem ter a preferência do Uber para o início da operação do serviço.

Concorrência

Esse anúncio da Uber, entretanto, não quer dizer que a empresa é a única trabalhando na entrega de produtos via drone. Amazon, Google, Walmart e várias outras grandes empresas estão trabalhando seriamente em formas de entregar bens pelo ar aos consumidores com o intuito de diminuir custos de frete. Só nos EUA, de acordo com a CNET, pelo menos 10 projetos similares foram autorizados a funcionar de forma experimental.

Não há, contudo, qualquer previsão para quando isso pode se tornar uma realidade comercial, mas é bom não esperar de pé. Esse tipo de serviço por drone deve envolver não apenas controle de tráfego aéreo dentro de cidades, mas também novas leis e regulamentações, zoneamento urbano e construção de uma nova infraestrutura. Ou seja, é um processo muito mais complicado do que parece ser e certamente vai demorar.